Fundo EP - Escola do Prado

Ofício de encerramento da Escola do Prado Alvará e averbamentos da Escola do Prado
Original Objeto digital not accessible

Zona de identificação

Código de referência

PT ILCAE EP

Título

Escola do Prado

Data(s)

  • 1901-05-01-1989-07-04 (Produção)

Nível de descrição

Fundo

Dimensão e suporte

35 liv.; 10 fls.
papel

Zona do contexto

Nome do produtor

(1900-1989)

História administrativa

A oportunidade pessoal de Diogo Cassels e a consciência de que as Devesas eram um pólo de crescimento económico e social levaram-no a sonhar que a Igreja Lusitana aí poderia ter mais um rosto da sua ligação com o povo, justificando mais tarde a iniciativa pelas circunstâncias de haver naquele lugar uma numerosa população operária. Nos começos de 1900 arrancaram as obras. O projecto da escola previa duas salas de aula, cada uma com escrevaninhas para 60 alunos e um campo pequeno para ginástica.
A primeira pedra foi colocada a 19 de Março de 1900, comparecendo ministros da Igreja Lusitana e personalidades locais, como os industriais José Gonçalves da Silva Matos e José Mariani. A inauguração foi no primeiro de Maio de 1901, pouco depois começaram as aulas de instrução primária masculinas e as noturnas para adultos e rapazes. O reverendo Manuel de Sousa, um sacerdote saído da igreja católica-romana, foi o primeiro professor. As obras só seriam concluídas em meados de 1902, começando em Outubro desse ano as aulas de instrução primária para meninas.
Há também registo de outras atividades, como as sessões de "lanterna mágica", seguindo-se uma "distribuição de café e regueifas". Em 1913, Augusto Nogueira e a esposa, Albertina Lopes de Almeida, ambos professores no Torne, fixam residência no Prado e aí começam a leccionar, abrindo um novo ciclo na escola. Ambos foram professores por muitas décadas e após a morte de Diogo Cassels (1923), Augusto Nogueira assumiu formalmente a direcção, validada por alvará de 1935.
A década de 1930 começou com alguma intranquilidade, resultante da promulgação pelo Estado Novo do Estatuto do Ensino Particular (1934). Em 1954, por ordem governamental, a escola do Prado e a do Torne foram encerradas, reabrindo apenas no começo do ano letivo de 1956.
As permanentes dificuldades financeiras, a par de um diferente contexto sociológico, tornaram inevitável o encerramento do ensino primário em 1989.

História do arquivo

Em 1900 Diogo Cassels adquiriu um terreno na Rua do Prado (Gaia), a fim de ali abrir uma escola e uma capela. Já então manifestava a intenção de doar o edifício à Igreja Lusitana.
O projeto apontava para duas salas de aulas, mobiladas para 60 alunos, um salão de conferências, uma saleta, uma casa de habitação, um recreio para as alunas e um ginásio para os alunos, além da capela com lugar para 200 pessoas. O arquiteto camarário Marcelino Lucas Júnior, foi simultaneamente o autor do projeto e o empreiteiro.
A inauguração da Escola e a consequente abertura, realizaram-se a 1 de Maio de 1901, tendo desde logo começado a funcionar as aulas diurnas para o sexo masculino e as nocturnas para adultos. Só em 13 de Outubro seguinte se iniciaram as aulas para o sexo feminino. O primeiro professor foi o ex-cónego Manuel Gonçalves de Sousa, o qual passou a residir no edifício. Júlia Mendes e Joaquina Martins completavam o quadro dos primeiros docentes da Escola.
Desde 1989 que a Escola está encerrada, tendo em conta a cobertura estatal, e, naquele espaço, foi inaugurado em 2003, o Centro Comunitário da Associação das Escolas do Torne e Prado (www.aetp.pt) com o nome "Salvador do Mundo" direcionado a idosos e carenciados.

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

O fundo da Escola do Prado é constítuido pelas seguintes secções:
Secção COR: Constituição, organização e regulamentação; Secção GE: Gestão Escolar; Secção GF: Gestão Financeira

Avaliação, selecção e eliminação

Conservação definitiva

Ingressos adicionais

Não estão previstas novas incorporações

Sistema de organização

Ordenação cronológica

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Mediante autorização da ILCAE

Condiçoes de reprodução

Mediante autorização da ILCAE

Idioma do material

  • português

Script do material

  • latim

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Zona de documentação associada

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Relação complementar: Festa Escolar da Paróquia de S. João Evangelista

Identificador(es) alternativo(s)

Pontos de acesso

Pontos de acesso - Locais

Pontos de acesso - Nomes

Pontos de acesso de género

Zona do controlo da descrição

Identificador da descrição

EP

Identificador da instituição

PT/ILCAE

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Revisto

Nível de detalhe

Parcial

Datas de criação, revisão, eliminação

08.07.15 (AV)
23.07.19

Línguas e escritas

Script(s)

Fontes

AFONSO, José António (2007). Protestantismo e educação: história de um projecto pedagógico em Portugal na transição do séc. XIX. Braga: Universidade do Minho. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/7101

PEIXOTO, Fernando (2001). Diogo Cassels. Uma vida em duas margens. Vila Nova de Gaia: Câmara Municipal de Gaia.

Objeto digital (Mestre) zona de direitos

Objeto digital (Referência) zona de direitos

Objeto digital (Icone) zona de direitos

Zona da incorporação

Pessoas e organizações relacionadas

Géneros relacionados