Paróquia de S. Pedro. 1877-

Zona de identificação

tipo de entidade

Entidade coletiva

Forma autorizada do nome

Paróquia de S. Pedro. 1877-

Forma(s) paralela(s) de nome

Forma normalizada do nome de acordo com outras regras

Outra(s) forma(s) do nome

  • Igreja de Jesus

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

datas de existência

1877-

história

A Igreja de Jesus foi criada, em 1878, pelas congrega ções episcopais de Rio de Mouro, de S. Paulo e a da rua de S. Marçal (futura igreja de Jesus). Constituiu a Igreja Lusitana Evangélica de Jesus uma das congregações fundadoras que viria a dar origem à Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica. Fundada em Janeiro de 1877, situou-se de início na Rua de S. Marçal, 117. Foi seu primeiro ministro, durante muitos anos, o presbítero reverendo José Nunes Chaves. Quando em Março de 1880, por ocasião da visita a Portugal do Bispo Riley, da Igreja Mexicana de Jesus, votaram em Assembleia Representativa a sua constituição. Esta congregação, sendo uma das que tomaram parte ativa na obra da nacionalização e independência da Igreja Lusitana, passou a chamar-se de Igreja de Jesus.
Em 1884 instalou-se na Travessa da Horta, 6-A, em virtude da propriedade da rua de S. Marçal ter de ser demolida. Poucos anos depois inicia-se uma “peregrinação” que fez a congregação passar pela Rua da Academia das Ciências, Trav. da Horta, Rua Sra. da Conceição, Rua do Rato, Rua do Cabo e por fim a Rua do Quatro de Infantaria, a Campo de Ourique, num percurso atribulado em que dificuldades várias, designadamente a falta de pastor, levaram mesmo ao seu encerramento, integrando-se os crentes na Igreja de S. Pedro. Seria depois reconstituída como missão, reorganizando-se de novo como paróquia em 1909, então na Rua do Rato, sob a liderança do Rev. Júlio Bento da Silva, que a dirigiu até à sua morte, em 1937. Entre esta data e 1943 foi pároco o Rev. Belarmino Barata.
Ao longo do século XX a paróquia lusitana de São Pedro prosseguiu a sua missão de evangelização e testemunho cristão, personificado em diversos clérigos e responsáveis leigos que naquela congregação serviram a Deus com dedicação e alegria. Há poucos anos, em resultado do envelhecimento da comunidade e da necessidade de dinamizar uma nova visão pastoral para o templo de São Pedro, as autoridades da Igreja Lusitana suspenderam a atividade da paróquia, situação que ainda se mantém.

Locais

Lisboa (cidade, Portugal)

status legal

Cânones e Regulamento Geral da Igreja Lusitana

funções, ocupações e atividades

Atividade religiosa

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

contexto geral

Área de relacionamento

Área de pontos de acesso

Ocupações

Zona do controlo

Identificador do registo de autoridade

PT ILCAE IJP

Identificador da instituição

PT/ILCAE

Regras ou convenções utilizadas

ISAAR(CPF): Norma internacional de registos de autoridade arquivística para pessoas colectivas, pessoas singulares e famílias. 2.ª ed. Lisboa: IAN/TT, 2004.

Estatuto

Preliminar

Nível de detalhe

Mínimo

Datas de criação, revisão ou eliminação

25.05.15 (AV);

Línguas e escritas

  • português

Script(s)

  • latim

Fontes

AFONSO, José António (2007). Protestantismo e educação: história de um projecto pedagógico em Portugal na transição do séc. XIX. Braga: Universidade do Minho. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/7101

NETO, Vítor (1988). A Igreja Lusitana, in O Estado, a Igreja e a Sociedade em Portugal (1832-1911), Lisboa: INCM, pp. 527-528. Disponível em:
http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2868.pdf

PEIXOTO, Fernando (2001). Diogo Cassels. Uma vida em duas margens. Vila Nova de Gaia: Câmara Municipal de Gaia.

Notas de manutenção

  • Área de transferência

  • Exportar

  • EAC