Mostrar 55 resultados

Registo de autoridade

Sociedade de Esforço Cristão da Igreja de Jesus

  • PT ILCAE SECJ
  • Entidade coletiva
  • 1920-

A Sociedade de Esforço Cristão, anexa à Igreja Lusitana, Apostólica, Evangélica de Jesus foi constituída em Lisboa no ano de 1920. Baseava-se nos princípios essenciais do Esforço Cristão, fundado pelo Reverendo Francis E. Clark, em 1881 em Portland na América.
Tinha por fim conduzir almas a Cristo e à sua Igreja e para atingir esses fins servia-se dos seguintes meios: vulgarização do ensino das Sagradas Escrituras; promoção e desenvolvimento espiritual, intelectual e moral; realização de sessões recreativas e manutenção de contactos com o "Comité Mundial do Esforço Cristão."

Octávio Guedes Coelho. 1910-11-10-[19--], presbítero

  • OGC
  • Pessoa
  • 1910-11-10-[19--]

Octávio Guedes Coelho nasceu a 10/11/1910 na Marinha Grande.
Licenciado em Teologia Reformada em 06/06/1956; Confirmado em 24/03/1963 na paróquia de S. Paulo da Igreja Lustiana; Instituído Diácono em 21/04/1963; Ordenado Presbítero em 04/08/1963; Em 1963 tornou-se diácono da paróquia do Bom Pastor; Entre 1963/1967 – pároco da paróquia do Espírito Santo; Entre 1971-1972 - pároco da paróquia do Salvador do Mundo; Entre 1967/1974 – pároco da paróquia do Bom Pastor; Em 1970 – pároco paróquia de S. João Evangelista onde exerceu também funções de Presidente da Junta Paroquial; Em 1984 – cónego da cátedral de S. Paulo, Arcipreste do Norte e Vigário-Geral.

Comissão Organizadora do Primeiro Congresso da Igreja Lusitana. 1938-1939

  • COC
  • Entidade coletiva
  • 1938-1939

A Comissão organizadora do Primeiro Congresso da Igreja Lusitana, com sede em Lisboa, foi criada pela Comissão Permanente. Esta comissão era composta por Belarmino Vieira Barata (presidente), Leopoldo Figueiredo, Josué Ferreira de Sousa Júnior, Liberto Figueiredo Franco e A. Pinto Ribeiro Júnior.
Com uma exisitência efémera, trataria dos seguintes assuntos: cargos, despesas de viagens, data do congresso, receção e abertura, romagem às sepulturas de alguns pioneiros da Igreja Lusitana, sessões de trabalhos, encerramento; pensão e alojamento para delgados; regulamentos do congresso, publicação.

Sínodo Diocesano. 1880-

  • SD
  • Entidade coletiva
  • 1880-03-08

Um sínodo historicamente é um conselho de uma igreja, geralmente convocada para decidir uma questão de doutrina ou administração. Também é usado às vezes para se referir a uma igreja que é governada por um sínodo.
Segundo o Regulamento Geral da Igreja Lusitana de 1880, cada diocese deveria ter o seu Sínodo. Na realidade, a Igreja Lusitana apenas dispõe de uma diocese, atualmente sediada em Vila Nova de Gaia.
Os sínodos diocesanos são convocados pelo Bispo em sua diocese e consistem em clérigos eleitos e membros leigos: composto de dois representantes de cada paróquia, eleitos pela Junta Paroquial (um ministro e um secular). Presidido pelo bispo ou por representante por ele nomeado e só na falta destes seria eleito, entre os componentes do Sínodo, o seu presidente. O Sínodo Diocesano reuniria anualmente.

Comissão Permanente. 1880-

  • CP
  • Entidade coletiva
  • 1880-03-08

A Comissão Permanente era eleita pelo Sínodo Geral (Regulamento Geral, artigo 18º) para apoiar os Bispos no cuidado dos interesses gerais da Igreja Lusitana. Foi presidida pela primeira vez pelo Bispo Riley, do Vale do México. Era composto pelo presidente, um secretário, ministros da Igreja e seculares.
Na ata de fundação de 8 de março de 1880 estiveram presentes:
Presidente: Bispo Riley do Vale do México
Reverendo João Joaquim da Costa Almeida (igreja da Santíssima Trindade)
Francisco Rodrigues Lobo, representante da igreja da Santíssima Trindade
Reverendo José Nunes Chaves (igreja da igreja da rua de S. Marçal)
José Gregório Bauduin, representante da igreja da rua de S. Marçal
Reverendo Cândido Joaquim de Sousa (igreja de S. Paulo)
João Gualberto de Araújo, representante da igreja de S. Paulo

Sínodo Geral. 1880-

  • SG
  • Entidade coletiva
  • 1880-03-08

O Sínodo Geral, segundo o artigo 12º do Regulamento Geral da Igreja Lusitana, é formado por nove representantes de cada Sínodo Diocesano: Bispo, quatro ministros e quatro seculares. Reúne-se de três em três anos, exatamente a duração do mandato dos eleitos a ambos os Sínodos. Nomeia a Comissão Permanente.

Paróquia de S. João Evangelista. 1868-

  • PT ILCAE PSJE
  • Entidade coletiva
  • 1868-

Inícios séc. XIX
· Primeiras referências a cerimónias religiosas evangélicas, distribuição de Bíblias em língua portuguesa, etc. no nosso País.

1839

· Uma capela anglicana é aberta em Lisboa, por Vicente Gómez y Togar. É o primeiro templo cristão não-católico romano destinado a portugueses (uma vez que as comunidades estrangeiras ? ingleses e alemães ? dispunham de templos próprios.

1845

· Na Madeira, Robert Kalley funda a Igreja Presbiteriana do Funchal.

1862

· Primeiras notícias do trabalho de ?colportores? (vendedores de Bíblias e outra literatura religiosa) em Portugal.

1866

· Eventualmente na sequência do trabalho de alguns colportores no Porto e em Vila Nova de Gaia, Diogo Cassels, um jovem industrial de 22 anos residente em Paço de Rei, começa a fazer reuniões evangélicas em sua casa.
1868

· O Rev. Angel Herreros de Mora, um padre anglicano, celebra a Eucaristia em Gaia, segundo o rito anglicano, em casa ou na própria fábrica de Cassels. Este acontecimento esteve na base da posterior prisão e julgamento de Diogo Cassels, por alegadas ofensas à fé católica

1868, Outubro 18

· Inauguração da Capela do Torne, construída por iniciativa e com grande envolvimento financeiro de Diogo Cassels.
· Os primeiros serviços religiosos eram em língua inglesa, começando no entanto a celebrar-se em português a partir de 1870.
· A igreja funcionava também como escola elementar nos dias de semana.
· Cassels pede apoio religioso ? oferecendo a capela e solicitando o envio de um clérigo ? à ?Sociedade Wesleyana? de Londres, ou Igreja Metodista, um movimento de renovação de pendor mais evangélico que se autonomizou da Igreja de Inglaterra.
1871

· Chega ao Porto o missionário metodista Robert H. Moreton, que começa desde logo a trabalhar com Cassels

1874

· A Igreja Metodista do Porto foi fundada e legalmente reconhecida por Moreton e Diogo Cassels
· Organizam-se os primeiros livros de registo paroquial, em função do reconhecimento pelas autoridades civis dos casamentos e funerais evangélicos

1877, Março 25

· Inauguração da Capela Metodista do Mirante, à Praça do Coronel Pacheco, no Porto.

1880, Março 8

· Fundação, em Lisboa, da Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica, agrupando três igrejas da capital, a que em breve se juntariam outras.
1880, Junho

· Cassels e parte da sua congregação aderem à Igreja Lusitana
· No momento da separação da Igreja Metodista, o Torne tinha 34 membros masculinos

1880, Dez. 2

· O Sínodo da IL licencia Cassels como ?pregador secular?

1881, Março 25

· 1º Baptismo de Cassels (autorizado pelo Sínodo)

1882, Fev. 10

· O Pe. Guilherme Dias, que trabalhava com a Igreja Metodista, adere à Igreja Lusitana

1884, Março 10

· Diogo Cassels é ordenado Diácono

1892, Dez. 8

· Diogo Cassels é ordenado Presbítero

1894, Abril 15

· Inauguação da nova Capela de S. João Evangelista, no Torne

Esforço Cristão do Prado. 1927-

  • PT ILCAE ECP
  • Entidade coletiva
  • 1927-01-30-

Diogo Cassels constituiu no Torne em 1903 uma liga do Esforço Cristão, com secções masculina e feminina, que organizava conferências, passeios, sessões recreativas, reuniões de oração e outras actividades. Após a fundação da capela do Prado, a União mudou a sua sede para o salão superior, dando continuidade à animação da juventude e à obra filantrópica e assistencial iniciada no Torne.
Em 1924, o reverendo Augusto Nogueira organiza uma liga juvenil, que Júlio Duarte afirma seguir o espírito do Esforço Cristão. Já em 1932, as senhoras da igreja constituem o departamento feminino do Grémio, tendo como principais iniciativas o auxílio assistencial, moral e espiritual.
A acção da Liga, conjugando a educação, a evangelização e o lazer, prosseguia com entusiasmo e em 1926 novo passeio foi organizado, mas por desacordos internos (próprios das associações juvenis), em 1927 fundou-se a União Cristã da Escola do Prado, concorrente da Liga Juvenil, que entretanto acabou. Esta organização, idêntica nos princípios à anterior, foi designada como Grémio Evangélico do Prado em 1930 e mais tarde por Esforço Cristão do Prado, tendo chegado até hoje e reconhecendo a data de 30.01.1927 como a do seu nascimento.

Sociedade de Senhoras da Paróquia de S. Paulo. 1941-1976

  • PT ILCAE SSPS
  • Entidade coletiva
  • 1941-04-20-

Segundo Eduardo Moreira, as senhoras da catedral tiveram anterioremente os seus estatutos aquando da existência do departamento feminino do Esforço Cristão. Mais tarde, as senhoras passaram a ter a sua própria sociedade que pertencia à paróquia de S. Paulo.

  • Membros: raparigas maiores de 15 anos; não pagam quotização porque já contribuem para o fundo paroquial.
  • Presidente: preside às reuniões, incentiva o trabalho das directoras, rubrica as actas e os balancetes aprovados, apresenta um relatório geral da sua gestão.
  • Vice-Presidente e Directora de Finanças: substitui a presidente, incumbe-se dos movimentos e campanhas financeiras; promove o bazar anual da sociedade.
  • Tesoureira: escriturar um livro próprio os movimentos de saída e entrada de dinheiro, apresentaçã ode balancetes mensais nas reuniões plenárias; apresentar um relatório geral do movimento anual, com cópia para o pároco.
  • Secretária: regista num livro próprio as actas das reuniões, elabora um relatório de todas as actividades; expedição de convites, recepção de correspondência; interessa-rse pelos arquivos da sociedade, (pode ter um adjunto ou duas secretárias, uma para actas e outra como correspondente, caso seja necessário).
  • Guardiã dos mealheiros: distribui os cofres das benções e elabora um lista de quem os recebeu. ESte cargo pode ser acumulado com o de tesoureira.
  • Directora Espiritual: compete zelar pela espiritualidade da sociedade, dirige a parte devocional das reuniões, promove a semana da oração, retiros, cultos especiais, palestras, estudos, comunhões, programa quaresmal e movimentos ecuménicos, em entendimento com o pároco.
  • Directora Missionária: aproveita todos os planos de actividades da paróquia.
  • Directora das alfaias: compete prover a catedral e suas missões de paramentos, alfaias, almofadas, linhos para a Eucaristia, ornamentos para casamentos e outras festas , zelar pelos paramentos dos clérigos, fazer escala de zeladora do santuário, em entendimento com o pároco.
  • Directora Social: compete promover movimentos da sociedade, tais como, festas dos corações, festa das amigas, comemorar os aniversários das sócias e da sociedade, zelar pela decoração dos locais das reuniões, pelas louças e utensílios da copa e da cozinha.
    O Pároco é membro ex-ofício da direcção da Sociedade das Senhoras

Paróquia de S. Tomé. 1944-

  • PT ILCAE PST
  • Entidade coletiva
  • 1944-

Foi no ano de 1944 que, numa pequena vila ribatejana, num pátio na Rua Palha Blanco nº43-45 em Castanheira do Ribatejo e sob o entusiasmo do Doutor Luís César Rodrigues Pereira, se reuniram os primeiros crentes da futura Missão de S. Tomé. Juntou-se também o Pastor José Ilídio Freire, e deslocava-se propositadamente a Castanheira, o jovem Ramiro dos Santos para ensinar Escola Dominical, mas este viria a falecer prematuramente.
Para apoiar e dar continuidade a este recente trabalho, casou e fixou-se nesta vila, no ano de 1946, Joaquim da Silva Ribeiro e sua esposa Dª Gertrudes da Conceição Ribeiro, tendo sido inaugurado o primeiro templo na Rua Palha Blanco nº 64, a 20 de Junho deste mesmo ano. Nascia assim, a Missão de S. Tomé.
Desde os primórdios que a Escola Dominical, se transformou num autêntico “viveiro”, de onde saíram muitos jovens que viriam com entusiasmo a ajudar no trabalho evangelizador desta área do Ribatejo. Formou-se mais tarde, a então denominada Liga dos Samaritanos que, ao longo de pelo menos 20 anos, desenvolveu em S. Tomé uma benemérita acção social. Nas duas primeiras décadas, o trabalho foi desenvolvendo-se e crescendo com o contributo de vários servos de Deus, liderados pela visão, entusiasmo e dedicação, do então Bispo D. Luís César Rodrigues Pereira (sagrado em 24/06/1962), que apelidava esta congregação, de seu pequeno rebanho.
Por volta de 1951, esta Missão integrar-se-ia na Igreja Lusitana, mas só início da década de 70 se tornaria numa Paróquia autónoma.
Em 1974, chega o Revº António Pinto Ribeiro com sua esposa, que tinha estado como missionário em Angola, durante 25 anos.
Em 14 de Dezembro de 1980, Joaquim da Silva Ribeiro viria a ser ordenado ao diaconato pelo Bispo resignatário, D. Luís César Rodrigues Pereira e em 30 de Novembro de 1986, seria ordenado ao presbiterado, pelo actual Bispo Diocesano D. Fernando da Luz Soares (sagrado a 1 e Maio de 1980). Contudo, só em 22 de Abril de 1989, o Revº Joaquim da Silva Ribeiro viria a ser colado, como o primeiro pastor, da Paróquia de S. Tomé, onde serviu com vigor e dedicação, até à sua resignação, a 08 de Abril de 2001.
Entretanto, a 12 de Abril de 1987 a Paróquia de S. Tomé inauguraria no mesmo lugar, o actual templo.
Em 23 de Abril de 1989 e após um ano de vivência paroquial, ingressou na Igreja Lusitana, Maria Elisabeth dos Santos e Sena, que tendo liderado o Grupo de Jovens nos primeiros anos e pouco tempo depois, sido nomeada representante secular da Paróquia, viria a ser instituída leitora a 10 de Abril 1994 e ordenada ao diaconato a 01 de Novembro de 1997 (no primeiro grupo de mulheres ordenadas, da ILCAE).
Foi ainda, durante 3 anos, coadjutora do então pároco, Revº Joaquim da Silva Ribeiro e por sua aposentação, viria a ser colada como responsável paroquial desta comunidade, no domingo de Ramos, a 08 de Abril de 2001.
Actualmente, a Paróquia continua a desenvolver o seu trabalho, apostando na formação da Escola Dominical, no Estudo da Bíblia para jovens e adultos, na vivência da Liturgia da Palavra e dos santos Sacramentos, no trabalho com os jovens, na actividade social e pastoral (sobretudo nos últimos anos, no acolhimento e apoio a emigrantes), revelando assim, uma forte vivência comunitária, alicerçada no amor de Deus, nos ensinamentos de Jesus e na acção do Seu santo Espírito.
Humanamente, este trabalho só é possível, pelo incansável apoio e dedicação, dos leitores, Laudelina Camilo (1987), Sérgio Cabaço e Paulo Ferreira (1994), pelo Grupo de Jovens, pelos Professores da Escola Dominical e por uma activa Junta Paroquial…
Para além da recente formação de um Grupo de Louvor, a Paróquia conta com o seu próprio Boletim – A Mensagem, fundado pelo Grupo de Jovens, em Dezembro de 1982.
Damos graças a Deus por toda a comunidade, e desejamos e oramos, no sentido de conseguirmos passar o testemunho, e com fidelidade e alegria transmitir às novas gerações, o desejo de Louvar a Deus, Testemunhar de Cristo e Servir aos homens. Assim Deus nos ajude.
A responsável pastoral
Presbítera Dra Elizabeth Sena

Paróquia de S. Marcos. 1944-

  • PT ILCAE PSMA
  • Entidade coletiva
  • 1944-03-04-

No dia 4 de março de 1944, por iniciativa do evangelizador José Ilídio Freire, organizou-se num pequeno armazém da rua do Pinheiro a primeira comunidade evangélica em Salvaterra de Magos. O grupo foi crescendo no meio das dificuldades de um ambiente hostil a tudo que não era prática religiosa do regime. Nesta altura, surgiu o entusiasmo de um jovem médico do hospital de Vila Franca de Xira, Dr. Luís Pereira. Em 1948 o Dr. Luís Pereira ingressou na Igreja Lusitana. Também as congregações que ele dirigia seguiram os seus passos: assim as comunidades de Vila Franca de Xira, Salvaterra de Magos e Castanheira do Ribatejo entraram na Igreja Lusitana.
Após esta integração, a primitiva casa de oração tornou-se pequena. Iniciou-se a busca de um lugar mais amplo. Encontrou-se finalmente um espaço central na avenida Dr. R. Ferreira da Fonseca. Foram feitas obras de adaptação do edifício que ao longo de muitos anos acolheu centenas de crentes.

Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica (Diocese). 1880-

  • PT ILCAE DIO
  • Entidade coletiva
  • 1880-

A IGREJA LUSITANA CATÓLICA APOSTÓLICA EVANGÉLICA surgiu na segunda metade do séc. XIX, fruto do ambiente religioso e social que então se vivia em Portugal.
A instituição do regime liberal e as novas ideias culturais e políticas que agitavam o mundo levaram - em Portugal como noutros países - a um clima de constante tensão entre muitos sectores da sociedade e a hierarquia da Igreja Católica Romana, que continuava presa a valores de outras épocas e tardava a adaptar-se aos novos tempos.
Na realidade, a hierarquia católica mostrava-se intolerante na defesa do absolutismo papal, tanto no domínio espiritual como no secular, situação que se agravou em 1870 com a definição dos dogmas da jurisdição universal e da infalibilidade do papa. Por outro lado, a desconfiança em relação à leitura da Bíblia pelos crentes, o ritualismo distante e pomposo da liturgia romana em latim e os excessos do marianismo popular suscitavam o afastamento da Igreja por parte de muitos cristãos mais esclarecidos.
Entretanto, ia chegando a Portugal a influência de outras correntes do cristianismo, ligadas à espiritualidade anglicana, à tradição protestante ou ao movimento "velho-católico", que se constituira em países como a Suíça ou a Holanda precisamente para tentar restaurar na Igreja Católica a simplicidade e a vivência élica dos primeiros séculos do cristianismo. Foi neste contexto que alguns sacerdotes e leigos se desligaram da Igreja Romana e formaram pequenas comunidades.
Desde 1876 que três congregações da área de Lisboa se reuniam em união evangélica, denominando-se como Igreja Episcopal Reformada em Portugal: Congregação de S. Paulo, sediada no Pátio das Duas Campaínhas, no segundo andar do prédio nº 123, à Rua Ocidental da Moeda, presidida por Cândido Joaquim de Sousa; Congregação de S. Marçal, na Rua das Amoreiras, nº 17-1º esquerdo, pastoreada pelo reverendo José Nunes Chaves; Congregação da Santíssima Trindade, em Rio de Mouro, Sintra, pelo ex-padre João Joaquim da Costa Almeida.
O movimento episcopal reformado teve o seu embrião na Igreja Evangélica Espanhola, à qual tinham aderido vários ex-padres católicos. A publicação, em 28 de Novembro de 1878, do decreto regulamentador do Registo Civil veio dar consistência à fundação oficial daquele movimento, a partir da Congregação de S. Paulo, liderada no seu início pelo ex-padre Manuel António Pereira Júnior, vindo a ligar-se à Spanish and Portuguese Church Aid Society.
Ainda em 1878, as três Congregações dirigem um memorando ao Sínodo Episcopal das Igrejas Anglicanas, solicitando a sua "Sympathia e apoio", bem como a sagração de um bispo para as igrejas episcopais peninsulares. Em 1879 assumem já a denominação de "Egreja Lusitana Catholica, Apostolica, Evangelica."
Em 1880 reuniram em Lisboa um Sínodo, sob a presidência do Bispo anglicano Riley, do México, expressamente convidado para o efeito, e aí se constituiu e regulamentou a IGREJA LUSITANA CATÓLICA APOSTÓLICA EVANGÉLICA.
FACTOS MAIS RELEVANTES:
1880 - Constituição da Igreja em Sínodo presidido pelo Bispo Anglicano do México, Dr. Henrique Riley, como resultado dum movimento de Padre Católico-Romanos e leigos, em contestação ao ultramontanismo do tempo e dogmas do Vaticano I.
1884 - Eleição do Primeiro Livro de Oração Comum baseado nas Liturgias Anglicana, Romana e Moçárabe.
1922 - Eleição do Bispo D. Joaquim Santos Figueiredo, que não chegou a ser sagrado.
1939 - Primeiro Congresso para afirmação da sua identidade eclesial na sociedade portuguesa.
1950 - Movimento de Revigoração da Igreja (MORI) que permitiu um amplo despertamento espiritual e litúrgico entre as comunidades. Início da edição do boletim Diocesano “O DESPERTAR”.
1951 - Integração das Igrejas Evangélicas de Vila Franca de Xira, Castanheira do Ribatejo e Vala do Carregado na Igreja Lusitana com os nomes, respectivamente, de Paróquia de S. Mateus, S. Tomé e S. João Baptista.
1952 - Integração da Igreja Evangélica de Salvaterra de Magos na Igreja Lusitana, com o nome de Paróquia de S. Marcos.
1954 - Segundo Congresso para discussão e esclarecimentos dos desafios enfrentados pela Igreja na segunda metade do século XX.
1958 - Sagração do primeiro Bispo, D. António Ferreira Fiandor, com a presença de Bispos Anglicanos do Brasil, dos Estados Unidos da América e da Irlanda.
1961 - Concordata de Plena Comunhão com a Igreja Episcopal dos Estados Unidos da América, nos termos da “Concordata de Bonn”.
1962 - Sagração do segundo Bispo D. Luís Rodrigues Pereira, com a presença de Bispos Anglicanos e de Bispos Velho-Católicos.
1963 - Concordata de Plena comunhão com as Igrejas Anglicanas da Irlanda e da Inglaterra.
1965 - Concordata de Plena Comunhão com os Bispos da União de Utreque (Comunhão Velho-Católica). Nos termos da “Concordata de Bonn”.
1967 - Sagração Episcopal do Presbítero da Igreja Lusitana, D. Daniel de Pina Cabral, para Bispo da diocese dos Libombos, Moçambique, integrada na Província Anglicana da África do Sul.
1971 - Participação da Igreja Lusitana na constituição do COPIC – Conselho Português de Igrejas Cristãs, como membro fundador.
1978 - Constituição da Comissão instaladora do Departamento da Juventude.
1979 - Início da edição do Boletim “O NOVO DESPERTAR” , em seguimento da publicação DESPERTAR cuja edição tinha terminado. Aprovação canónica pelo Sínodo Diocesano do Departamento da Juventude (DJIL).
1980 - Integração oficial na Comunhão Anglicana como Diocese Extra Provincial sob Autoridade Metropolitana do Senhor Arcebispo de Cantuária na sua qualidade de sinal visível de unidade daquela Comunhão. Terceiro Congresso para reformulação de algumas das suas perspectivas teológicas e litúrgicas. Sagração de terceiro Bispo, D. Fernando da Luz Soares, que continua como Bispo Diocesano.
1989 - Constituição do CLET (Centro Lusitano de Estudos Teológicos). Constituição da Associação das Escolas do Torne e do Prado (AETP), como uma Instituição Particular de Serviço Social (IPSS), na continuidade do trabalho centenário de ensino e social levado a cabo por aquelas Escolas que entretanto encerraram.
1991 - Aprovação pelo Sínodo Diocesano da revisão litúrgica que deu lugar ao atual Livro de Liturgia. Aprovação pelo Sínodo da ordenação de mulheres.
1992 - Participação da Igreja Lusitana no Primeiro Encontro Ecuménico realizado em Portugal entre representações oficiais da Igreja Católica Romana e do COPIC, encontros que têm continuado até ao presente.
1993 - Participação da Igreja Lusitana no Primeiro Encontro interconfessional realizado em Portugal entre representações oficiais da Igreja Católica Romana, do COPIC e da Aliança Evangélica Portuguesa, encontros que têm continuado até ao presente. Aprovação canónica pelo Sínodo Diocesano do Departamento das Mulheres (DMIL).
1995 - Primeira visita do Arcebispo de Cantuária à Igreja Lusitana.
1997 - Ordenações ao Diaconado das primeiras 3 mulheres na Igreja Lusitana.
2000 - Reunião dos Primazes da Comunhão Anglicana, no Porto, em Março. IV Congresso da Igreja Lusitana, em junho, com uma participação de mais de 100 pessoas.
2004 - Comemorações do 125º aniversário do Sínodo constitutivo da Igreja Lusitana, do 25º aniversário da Sagração Episcopal do Bispo Fernando Soares e do 25º aniversário da integração da Igreja na Comunhão Anglicana.
2008 - A Igreja Lusitana adquire o Estatuto de Igreja Radicada. Através do respetivo atestado de radicação, o Ministério da Justiça reconhece a história e a ação da Igreja, ao longo da sua existência. Este enquadramento permitiu: o reconhecimento dos efeitos civis dos casamentos que celebra, receber 0.5% do IRS dos contribuintes que a declarem como seu destinatário e a possibilidade de realizar acordos com o Estado Português em matérias de interesse comum.

Paróquia da Sagrada Família. 1960-

  • PT ILCAE PSF
  • Entidade coletiva
  • 1960-

A paróquia da Sagrada Família (S. Jerónimo) situa-se a 20 km de Lisboa, em Sintra. Começou por ser uma pequena comunidade constituída por famílias oriundas do norte de Portugal, ligadas à construção civil. Foi a igreja de S. Jerónimo, em Queluz, que iniciou o apoio social e espiritual a este grupo, na década de 70 do século XX. Em 1975, Pego Longo contava já com uma escola primária com 3 salas (apoiada pela Swiss Reformed Church), casas para moradores locais contando também com o apoio do COPIC (Conselho Português de Igrejas Cristãs). No ano de 1983 iniciou-se a construção de um Centro Social e igreja e esta paróquia passa a ser denominada como paróquia da Sagrada Família.

Monte Pio das Uniões Evangélicas do Porto e Gaia. Fl. 1813-1814

  • PT ILCAE MPUEPG
  • Entidade coletiva
  • 1913-09-19-1914-03-19

A Associação de Socorros Mútuos, Monte Pio das Uniões Evangélicas do Porto e Gaia foi criada por D. António Ferreira Fiandor e mais membros da Igreja Lusitana (Américo Pinto de Sousa Nogueira, António Couto, Cristiano de Sousa Pires, Francisco Fernandes Pacheco, João José de Carvalho Lima, José Maria Leite Bonaparte, Manuel José Barbosa e Manuel Pereira dos Santos).
Uma das razões apresentadas para a sua fundação foi a falta de uma organização deste tipo, no meio evangélico. Podia ser constituída por membros da Igreja e simpatizantes. Contudo, apesar da sua fundação, esta instituição não chegou a funcionar por falta de sócios.

Missão da Madalena. 1905-1927

  • PT ILCAE MM
  • Entidade coletiva
  • 1905-1927

A Missão da Madalena funcionou no lugar do Vale, na freguesia da Madalena em Vila Nova de Gaia, iniciada pelo reverendo André Cassels. A sua igreja mãe foi a Missão do Candal, também fundada pelo mesmo reverendo; mas depois procuraram a igreja do Prado, onde era ministro o reverendo Augusto Nogueira. O reverendo Armando Pereira de Araújo teve, igualmente, uma forte ligação a esta missão onde organizou conferências evangélicas juntamente com John Cassels, acompanhadas por projeções luminosas.
Em 1909 tinha em funcionamento uma aula noturna para adultos que funcionava de outubro a abril, de que era diretor-professor o reverendo Armando Pereira de Araújo.
Em 1914, certamente devido ao deflagrar da 1ª Guerra Mundial, o principal veículo de mensagens desta missão, o jornal "O Bom Pastor", passa a dar poucas notícias da sua atividade. Até 1927 contou com 22 anos de ação evangélica e educativa.

Paróquia de Cristo. 1907-

  • PT ILCAE PC
  • Entidade coletiva
  • 1912-

No ano de 1907, em março, um grupo de membros da «Liga do Esforço Cristão» da Igreja do Torne, deu início a visitas de evangelização a Oliveira do Douro.
Em Outubro de 1907 era fundada em Oliveira do Douro (Vila Nova de Gaia) uma Escola Evangélica juntamente com uma Missão constituída por crentes que se reuniam ao Domingo para estudo bíblico e oração a Deus.
Em 1909, a escola e a sala de cultos a que o reverendo José Bonaparte se devotou, passaram para a rua conhecida então pela designação dos «Mestres» e, a partir de 1911, conseguiu mais uma sala no mesmo prédio, própria para serviço da Missão. Assim, os pioneiros do Evangelho neste lugar, procuraram, desde logo, desenvolver a sua ação.
A 26 de Agosto de 1912 a Missão foi elevada à categoria de Paróquia e elegeu a sua primeira Junta Paroquial em 30 de Dezembro do mesmo ano.
Em 21 de Fevereiro de 1913 o Sínodo da Igreja Lusitana, reunido em Lisboa, incorporou na mesma Igreja a Congregação de Oliveira do Douro sob a denominação de Igreja de Cristo.
A 13 de Abril do mesmo ano o reverendo José Maria Leite Bonaparte foi instituído como ministro da Igreja de Cristo. Desde logo esta congregação desenvolveu notável trabalho de natureza educativa e assistencial através do « Colégio Lusitano » que durante décadas providenciou às gentes de Oliveira do Douro a instrução necessária.
Dezembro de 1925 é a data que marca o início de uma nova época, o da instalação da Igreja em casa própria, dádiva do reverendo Bonaparte.
O actual templo desta Paróquia foi dedicado a Deus em 3 de Novembro de 1954 pelo Bispo de Minnesota, Estados Unidos da América, Dr. Estêvão Keeler.
Por requerimento de 22 de janeiro de 1967, foi solicitada a elevação a paróquia da então Missão, o que foi aprovado pela Comissão Permanente em 29 de janeiro do mesmo ano.
Ao Reverendo Bonaparte sucedeu o Reverendo Arnaldo Daniel ( já falecido ), a 23 de janeiro de 1969, no pastoreio da comunidade de Cristo.

Paróquia Cristo Remidor. 1930-

  • PT ILCAE PCR
  • Entidade coletiva
  • 1930-

1930 - igreja doméstica em casa da senhora D. Mónica Teles
1934-02-25 - primeira reunião da junta administrativa, presidida pelo pároco da igreja de Setúbal, reverendo José Pereira Martins
1939 - Em reunião do Sínodo da Igreja Lusitana passa de missão a igreja.
1940-01-05 - primeira renião da junta paroquial
1942-1953 - período de inatividade, após a morte do padre José Pereira Martins
1953-1955 - movimento de revigoração - leitores: Ayres Serrano e Silva e Francisco Venâncio de oliveira. Igreja Peregrina em casa de alguns paroquianos
1955 - Reverendo Eduardo Moreira
1956-1960 - Reverendo Josué Ferreira dos Santos Júnior
1959 - compra do terreno para a construção da igreja
1960 - Reverendo Francisco Venâncio de Oliveira
1961-1963 - Reverendo Manuel de Sousa Campos
1963-01-13 - Dedicação da nova igreja, construída com a subscrição «Fundo para o Templo», e pela Sociedade Auxiliadora Pulvertaft, sendo procurador o Dr. Leopoldo Figueiredo
1964-1968 - Reverendo Octávio Guedes Coelho
1968-1970 - Reverendo Donald Lopes
1971-1980 - Reverendo Francisco Venâncio de Oliveira

Sociedade de Senhoras da Igreja de Jesus. Fl. 1937-1955

  • PT ILCAE SSIJ
  • Entidade coletiva
  • 1937-08-05-[1955?]

A Sociedade de Senhoras da Igreja Evangélica de Jesus nasceu no ano de 1937, de uma comissão da Junta Paroquial da Igreja de Jesus eleita para a elaboração dos seus estatutos.

Ação de Renovação Cristã. Fl. 1949-1955

  • PT ILCAE ARC
  • Entidade coletiva
  • 1949-03-16-1955-10-26

A Ação de Renovação Cristã foi constituída anexa à Igreja Lusitana Evangélica de S. Paulo e tinha como sua sede a rua das Janelas Verdes (Convento dos Marianos).
Destinava-se a desenvolver a acção cristã entre os jovens cristãos de Portugal e o bem geral dos seus associados, promovendo, simultaneamente, o desenvolvimento físico, social e intelectual.
O seu primeiro presidente foi o Reverendo António Pinto Ribeiro Júnior. Os secretários foram Leopoldo de Figueiredo e Felícia Fiandor dos Santos.

Liga do Esforço Cristão do Torne. Fl. 1903-1969

  • PT ILCAE LECT
  • Entidade coletiva
  • 1903-[1969?]

A Liga do Esforço Cristão, com origens na União Cristã da Mocidade, foi fundada pelo reverendo Diogo Cassels, anexa à igreja de S. João Evangelista, no lugar do Torne, em Vila Nova de Gaia.
Importante contributo para o trabalho evangélico foi a criação, no Torne, da Liga do Esforço Cristão, sediado no amplo salão mandado construir por Diogo Cassels na Rua 14 de Outubro. No jornal "A Egreja Lusitana" de 15 de Janeiro de 1903 já Diogo informa que está em organização esta liga, destinada a indivíduos de ambos os sexos, com mais de 12 anos de idade.
A 27 de Fevereiro de 1944 os seus estatutos são reformados, mantendo como principal objetivo a promoção, entre os seus membros, as atividades cristãs, relações de estima, fraternidade e cooperação.
Estes estatutos contém 12 artigos:
1º - Fundação da Liga
2º - Fins
3º - Dos membros
4º - Dos deveres dos membros
5º - Dos membros auxiliares
6º - Reuniões de congregação
7º - Assembleia Geral
8º - Direção
9º - Administração
10º - Das comissões
11º - Ação de jovens
12º - Disposições gerais

Spanish ans Portuguese Aid Society. Fl. 1870-1958

  • PT ILCAE SPCAS
  • Entidade coletiva
  • 1870-1958

A sociedade "The Spanish and Portuguese Church Aid Society" foi fundada em 1870, com os seguintes objetivos:
• Pregação e ensino do Evangelho de acordo com os princípios da Igreja de Inglaterra e outras igrejas da comunhão anglicana;
• Promover a construção de edifícios para cultos públicos e outras atividades da Igreja, assim como apoiar o estabelecimento de escolas de ensino teológico;
• Manutenção de orfanatos e outras insituições caritativas de venda de bíblias e de outras literatura religiosa.

União da Juventude Lusitana. 1936-1970

  • PT ILCAE UJL
  • Entidade coletiva
  • 1936-04-14-1970

A Juventude auxiliar da Igreja Lusitana de S. Paulo foi um organismo criado em Assembleia Geral de 14 de Abril de 1936, com o fim de ajudar as atividades da Igreja: reuniões de estudo bíblico, serões litero-musicais e sociais, publicação de literatura evangélica, reuniões de evangelização, jornadas missionárias, excursões, campismo e educação física.

Coro Evangélico Lusitano. 1930-1955

  • PT ILCAE GCPMS
  • Entidade coletiva
  • 1930

O Grupo Coral Pró-Música Sacra foi fundado por um grupo de jovens da Igreja de S. Paulo. Aquando da sua fundação tomou o nome de Coro Evangélico Lusitano e, cerca de 1942, assumiu o nome de Coral Esforço Cristão. Só em 1948 adotou a desiganção de Grupo Coral Pró-Música Sacra, evidenciando o seu desejo de cultivar a música em unidade com a liturgia da Igreja.

Colégio Evangélico Lusitano. 1889-1946

  • PT ILCAE CEL
  • Entidade coletiva
  • 1889-06-

O Colégio Evangélico Lusitano foi inaugurado em Junho de 1889: “A Comissão Permanente Diocesana desejando estabelecer em Lisboa uma espécie de Colégio Central que pudesse ser frequentado pelas crianças das três Congregações da Capital, resolveu abrir o que se denomina Colégio Evangélico Lusitano. Este colégio funciona numa parte do edifício, em que está estabelecida a Igreja de S. Paulo (…). Graças à bênção divina o colégio tem prosperado; tem 2 professoras, e 148 matrículas, e o termo médio de assistência diária é de 54 crianças.
Segundo o que se combinou, o salário de uma professora é pago pela Sociedade Auxiliadora e o da outra pelo produto de uma subscrição permanente promovida entre as congregações de Lisboa” (Relatórios…, 1889, p. 3-4; cf. Relatórios…, 1890, p. 3; idem, 1894, p. 10-11).
As escolas protestantes, por vezes designadas por colégios evangélicos, nasceram de vontades determinadas em combater a ignorância e a incredulidade. Os seus inícios dependeram fortemente da coragem e espírito decidido dos seus actores. Nos bairros pobres e operários de Lisboa, Porto e Vila Nova de Gaia; nas zonas deprimidas dos Açores e da Madeira; nos espaços piscatórios de Setúbal e da Figueira da Foz, e em Portalegre ou nas minas do Palhal, um conjunto de evangélicos sonharam e ergueram essas escolas.
Em 1911 era já diferente a concepção da escola evangélica, podendo constatar-se tal factona resposta que Joaquim dos Santos Figueiredo, director do Colégio Evangélico Lusitano, de Lisboa, dá ao director do jornal O Dia510. O motivo da réplica prende-se com uma notícia vinda no periódico em que se acusava o Colégio de ministrar ensino religioso, alegando-se que “estranhamente a autoridade não intervinha”. Peremptório Santos Figueiredo escreve: depois de publicada a Lei da Separação, nunca mais se ensinou às crianças, na escola, durante a semana, o catecismo da religião evangélica, pois temos as aulas dominicais para esse fim. O que se faz antes das lições do dia, que em regra principiam às 9 horas e meia da manhã, é entoar cânticos religiosos e patrióticos, e ler e explicar alguma passagem do Evangelho, para assim proporcionar às crianças altos exemplos de moralidade. Isto poder-se-ia fazer na mais laica escola, e seria bom que tal prática se estendesse a todas, porque os alunos não só aproveitariam a lição moral, que não é para desprezar nestes tempos, de tanta corrupção, mas iriam adquirindo os conhecimentos históricos da vida de Cristo, sem os quais não poderão mais tarde, se prosseguirem nos seus estudos, compreender os Lusíadas e muitas obras-primas de autores estrangeiros, como Milton, Shakespeare, Chateaubriand, Victor Hugo, etc.
Joaquim dos Santos Figueiredo foi, durante 38 anos, diretor do Colégio. Joaquim dos Santos Figueiredo, primeiro bispo-eleito da Igreja Lusitana e durante 38 anos diretor do Colégio Evangélico Lusitano, explica a sua concepção pedagógica: fazer as crianças decorar versículos é, para mim, um mau processo quando a isso se limita, isto é, decorar para ornar a memória. Decorar é mecânico. A memória não é apenas um auxiliar do intelecto, da inteligência. Creio que deve ser também do coração. Os católicos romanos adoptam um catecismo. O trabalho é de responder a determinadas perguntas. Esforço de memória. Mas nós não devemos seguir essa maneira de ensinar.
Na continuidade da obra do Colégio Lusitano, em 9 de outubro de 1941 foi concedido pelo Ministério da Educação Nacional, Inspeção Geral do Ensino Particular um alvará para que funcionasse como insituição de ensino feminino, sendo diretora Lavínia Augusta de Figueiredo.

União Cristã Central da Mocidade Portuguesa. 1894-

  • PT ILCAE UCCMP
  • Entidade coletiva
  • 1894-[19--]

Em 1894 criou-se a primeira União Cristã Central da Mocidade Portuguesa, podendo-se ler no Artigo 1º dos Estatutos que: “Entre os membros das Igrejas Evangélicas é fundada nesta cidade do Porto uma sociedade de educação física, intelectual, moral e espiritual”. No Artigo 3º especifica-se que a União está aberta a todos os indivíduos estranhos às Igrejas,
na qualidade de membros associados que, no entanto, não podem exercer o direito de voto (Artigos 6º e 7º). O Artigo 4º clarifica, e sistematiza, os objectivos da União, dizendo que tem por fim “proporcionar aos seus membros”:
1º Um ginásio, jogos atléticos, balneário e outros meios de desenvolvimento físico;
2º Excursões de instrução e recreio pelo país e, quando possível fora dele;
3º Um gabinete de leitura provido de livros e jornais nacionais e estrangeiros;
4º Aulas de instrução primária, línguas, comércio, música, etc.;
5º Sessões sociais, literárias e musicais;
6º Conferencias evangélicas, científicas, históricas, geográficas, etc., de reconhecida
utilidade popular;
7º Reuniões regulares de estudos bíblicos; e, finalmente:
8º Todos os meios ao seu alcance para promover a robustez física e a elevação do nível
intelectual e moral dos seus membros, de modo a torná-los úteis a si, à família e à pátria.
Outros Capítulos dos Estatutos, dizem respeito aos Membros auxiliares e protectores; sua
admissão, deveres e direitos (Cap. II); Penalidades dos membros (Cap. III); Direcção, conselho fiscal
e secretário geral (Cap. IV); Conselho consultivo (Cap. V); Assembleia Geral (Cap. VI); Eleições (Cap.
VII); Fundo social e sua aplicação (Cap. VIII); e Disposições transitórias e gerais (Cap. IX).
Num texto de 1905 um dos principais promotores da União, Alfredo Henrique da Silva, evoca as razões da sua criação. Diz ele que o que o inspirou foi o exemplo da Associação Cristã de Moços do Rio de Janeiro, cuja notícia chegou via imprensa, nomeadamente pelo jornal evangélico brasileiro O Cristão. Recorda, ainda, que por essa altura, estava no Porto um unionista suíço, de nome Borel, para aprender o português, já que na sua qualidade de missionário, partiria, depois, para as Missões Suíças na África portuguesa. Dos contactos estabelecidos com o missionário, resultou que ele os entusiasmou na criação da União, contribuindo com “alguns esclarecimentos” para a implementação e organização. No princípio dedicavam-se os unionistas ao estudo da Bíblia e a fomentar a criação de novas Uniões, já que o lugar onde estavam instalados, era “uma pequena sala” na Igreja Metodista do Mirante. Só com a sede própria é que se iniciou a sua “quádrupla missão: física, intelectual, moral e espiritual, com um forte investimento na intelectual – aulas nocturnas para operários”. Diz Alfredo da Silva que desde sempre foram norteados por um princípio: “Montar bem; dirigir bem”.
Iniciou-se, assim, em Portugal um movimento de regeneração social, que, de acordo com o Autor, incidiu na instrução popular, no anti-alcoolismo, na moralidade e na cultura cristã.
Em 1899, Diogo Cassels, reproduz, no periódico, O Evangelista, algumas passagens dos Estatutos da União Cristã da Mocidade de Lisboa, fundada precisamente no ano anterior. São quatro os Artigos destacados por Diogo Cassels:
1º Que vem a ser a União Crista da Mocidade?
É uma associação de jovens ou pessoas novas, membros de todas as Igrejas que têm por única cabeça a Jesus Cristo, nosso Senhor, segundo as Escrituras Sagradas.
2º Qual é o seu trabalho?
Procurar resultados espirituais por meios conformes com as Escrituras Sagradas, empregando esforços para ganhar os incrédulos para o Salvador e agregá-los às Igrejas, como fiéis testemunhas do Evangelho de Jesus no meio deste mundo, mas sem se ocupar da escolha da denominação.
3º É a União uma Igreja?
Não. Ela declara de maneira mais formal que o seu fim é trabalhar com as Igrejas, sem se intrometer nas funções próprias destas, antes procurando e desejando ser reconhecida por elas como um auxiliar no trabalho de evangelização da mocidade.
4º Qual é o seu programa?
Promover o bem espiritual, intelectual, social e físico da mocidade.
Movimento que se iniciou em Londres, em 1844, e que a partir de 1849 começa a alastrar pela Europa, via Alemanha. Entre os anos Cinquenta e Noventa regista-se o máximo crescimento, expresso, em 1901, por mais de 3.500 Uniões, desde a Grã-Bretanha até à Turquia. Em Portugal, na mesma data, estavam recenseadas 7 Uniões com 343 membros.

Paróquia de S. Pedro. 1877-

  • PT ILCAE IJP
  • Entidade coletiva
  • 1877-

A Igreja de Jesus foi criada, em 1878, pelas congrega ções episcopais de Rio de Mouro, de S. Paulo e a da rua de S. Marçal (futura igreja de Jesus). Constituiu a Igreja Lusitana Evangélica de Jesus uma das congregações fundadoras que viria a dar origem à Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica. Fundada em Janeiro de 1877, situou-se de início na Rua de S. Marçal, 117. Foi seu primeiro ministro, durante muitos anos, o presbítero reverendo José Nunes Chaves. Quando em Março de 1880, por ocasião da visita a Portugal do Bispo Riley, da Igreja Mexicana de Jesus, votaram em Assembleia Representativa a sua constituição. Esta congregação, sendo uma das que tomaram parte ativa na obra da nacionalização e independência da Igreja Lusitana, passou a chamar-se de Igreja de Jesus.
Em 1884 instalou-se na Travessa da Horta, 6-A, em virtude da propriedade da rua de S. Marçal ter de ser demolida. Poucos anos depois inicia-se uma “peregrinação” que fez a congregação passar pela Rua da Academia das Ciências, Trav. da Horta, Rua Sra. da Conceição, Rua do Rato, Rua do Cabo e por fim a Rua do Quatro de Infantaria, a Campo de Ourique, num percurso atribulado em que dificuldades várias, designadamente a falta de pastor, levaram mesmo ao seu encerramento, integrando-se os crentes na Igreja de S. Pedro. Seria depois reconstituída como missão, reorganizando-se de novo como paróquia em 1909, então na Rua do Rato, sob a liderança do Rev. Júlio Bento da Silva, que a dirigiu até à sua morte, em 1937. Entre esta data e 1943 foi pároco o Rev. Belarmino Barata.
Ao longo do século XX a paróquia lusitana de São Pedro prosseguiu a sua missão de evangelização e testemunho cristão, personificado em diversos clérigos e responsáveis leigos que naquela congregação serviram a Deus com dedicação e alegria. Há poucos anos, em resultado do envelhecimento da comunidade e da necessidade de dinamizar uma nova visão pastoral para o templo de São Pedro, as autoridades da Igreja Lusitana suspenderam a atividade da paróquia, situação que ainda se mantém.

Resultados 1 a 30 de 55