Mostrar 55 resultados

Registo de autoridade

Cassels, Andrew Boys. 1849-1931, presbítero

  • PT ILCAE ABC
  • Pessoa
  • 1849-1931

Nasceu a 28 de julho de 1849, foi industrial e nessa qualidade teve de solicitar uma autorização especial para poder ser ministro da Igreja Lusitana, à qual aderiu em 1890 e que serviu durante 41 anos.
Pela proximidade que manteve com o irmão, cinco anos mais velho, Diogo Cassels, foi dos membros mais ativos da Igreja. Em 1886 era o tesoureiro da Junta Paroquial do Redentor e já então, sustentava a escola do Candal, inaugurada em Fevereiro de 1884. Em 1900 dirigia a orquestra da União Cristã Feminina do Bom Pastor.
Além da actividade musical, André dedicou-se ainda à ficção, escrevendo novelas de edificação religiosa.
Residiu sempre em Gaia, primeiro em Lavadores e depois no Candal, onde fundou uma escola a que mais tarde juntou um templo. A ele se deve também o edifício da Igreja Lusitana do Bom Pastor, Candal, Vila Nova de Gaia, que mandou construir em 1886. Como seu pai, John Cassels, que tinha montado uma fábrica de fiação em Mafamude, próximo do cemitério, o Reverendo André Cassels instala no Candal uma fábrica de fiação, conhecida então como "fábrica da lã". Mas não se limitou a ser apenas industrial, dedicou-se ainda à pregação do Evangelho nas Missões de Coimbrões,Madalena, do Marco e de Lavadores, Vila Nova de Gaia, Guimarães, e Viana do Castelo.
Gostava também de escrever, no seu jornal "O Bom Pastor" há vários trabalhos seus de muito interesse; a ele se deve também a publicação da "Biblioteca António Maria Candal", trÊs séries, com 20 opúsculos, ainda o Almanach para 1909, repositório de boas informações para aquele ano e também de história. É certo que era o Reverendo Armando Pereira de Araújo quem dirigia as publicações, mas André Cassels sem pre as acompanhava. Entre 1909 e 1914 escreveu 68 artigos e tantas outras notas.
Foi ordenado diácono em 1891, em Dublin, e a 13 de Junho de 1895 ordenado presbítero.
Criou a Liga dos Rebuscadores e participou em missões fora de Vila Nova de Gaia. Contribuiu ainda, para publicações periódicas como "O Bom Pastor" (1901-1916), "Luz e Verdade" (1919).
Faleceu em 18 de dezembro de 1931, contando 82 anos.

Paróquia do Espírito Santo. 1894-

  • PT ILCAE PES
  • Entidade coletiva
  • 1894

Foi inaugurada na rua Carvalho Araújo, Bairro Salgado, uma nova igreja dedicada ao Espírito Santo em Setúbal. Até à data mencionada havia uma igreja peregrina: de 1907 até 1924 as sedes e os lugares de culto forma-se sucedendo desde a Avenida da Portela até à Avenida 5 de Outubro.
Numerosas dificuldades obrigaram o ministro da comunidade José Pereira Martins a tranformar em 1921 a sua própria habitação,na rua Almeida Garrett, em centro de culto.
Em 1924 o Reverendo André Cassels comunica quetinham aios para a compra de um terreno e a construção de um templo em Setúbal. a Obra viria a ser concluída cinco anos mais tarde em 14 de Agosto de 1929.

Capela da Propagação Evangélica. 1839-1870

  • PT ILCAE CPEJ
  • Entidade coletiva
  • 1839-1870

Se o protestantismo se difundira, na ilha da Madeira, na década de 40 e se, no continente, Gomez y Togar fundou, em 1839, a "Capela da Promulgação do Santo Evangelho de Jesus" (Lisboa), a tendência episcopal deste núcleo seria retomada, a partir de 1867, por Angel Herreros de Mora.
Este eclesiástico foi eleito primeiro bispo de uma Igreja reformada em Portugal (1874). Em consequência das decisões tomadas pela Igreja católica, no Concílio Vaticano I, uma dezena de sacerdotes abandonou esta corporação, como protesto contra os novos dogmas, e filiou-se na congregação de Angel Mora. Vários destes ex-padres contraíram matrimónio na Igreja Evangélica Reformada transformando-se também nos principais pastores dos núcleos evangélicos. Porém, alguns viram-se forçados a encontrar meios para a sua sustentação em actividades seculares. Em 1870, no templo de Mora, teve também lugar a abjuração do padre João Joaquim da Costa e Almeida. Os padres José Inácio Pinheiro e
Manuel Jerónimo Cordeiro, depois de passarem pela Igreja Evangélica Espanhola, retornaram ao catolicismo. Por seu lado, José Joaquim Rechoso entrou na comunidade de Mora, mas acabou por seguir a advocacia em Portalegre, enquanto José Nunes Chaves, após o ingresso na congregação presbiteriana de S. Paulo (Lisboa), seria um dos fundadores da Igreja Lusitana. Perante a rigidez da lei, alguns padres apóstatas adquiriram a nacionalidade espanhola (ex. António Ribeiro de Melo).

Escola do Prado. 1900-1989

  • PT ILCAE EP
  • Entidade coletiva
  • 1900-1989

A oportunidade pessoal de Diogo Cassels e a consciência de que as Devesas eram um pólo de crescimento económico e social levaram-no a sonhar que a Igreja Lusitana aí poderia ter mais um rosto da sua ligação com o povo, justificando mais tarde a iniciativa pelas circunstâncias de haver naquele lugar uma numerosa população operária. Nos começos de 1900 arrancaram as obras. O projecto da escola previa duas salas de aula, cada uma com escrevaninhas para 60 alunos e um campo pequeno para ginástica.
A primeira pedra foi colocada a 19 de Março de 1900, comparecendo ministros da Igreja Lusitana e personalidades locais, como os industriais José Gonçalves da Silva Matos e José Mariani. A inauguração foi no primeiro de Maio de 1901, pouco depois começaram as aulas de instrução primária masculinas e as noturnas para adultos e rapazes. O reverendo Manuel de Sousa, um sacerdote saído da igreja católica-romana, foi o primeiro professor. As obras só seriam concluídas em meados de 1902, começando em Outubro desse ano as aulas de instrução primária para meninas.
Há também registo de outras atividades, como as sessões de "lanterna mágica", seguindo-se uma "distribuição de café e regueifas". Em 1913, Augusto Nogueira e a esposa, Albertina Lopes de Almeida, ambos professores no Torne, fixam residência no Prado e aí começam a leccionar, abrindo um novo ciclo na escola. Ambos foram professores por muitas décadas e após a morte de Diogo Cassels (1923), Augusto Nogueira assumiu formalmente a direcção, validada por alvará de 1935.
A década de 1930 começou com alguma intranquilidade, resultante da promulgação pelo Estado Novo do Estatuto do Ensino Particular (1934). Em 1954, por ordem governamental, a escola do Prado e a do Torne foram encerradas, reabrindo apenas no começo do ano letivo de 1956.
As permanentes dificuldades financeiras, a par de um diferente contexto sociológico, tornaram inevitável o encerramento do ensino primário em 1989.

Sociedade Evangélica de Socorros Mútuos

  • PT ILCAE SESM
  • Entidade coletiva
  • 1870-

Diogo Cassels, de todas as organizações humanitárias por ele criadas, aquela que teve maior duração, foi sem dúvida a Sociedade Evangélica de Socorros Mútuos, fundada em 1870 e com Estatutos aprovados três anos depois.

Escola do Torne. 1868-1989

  • PT ILCAE ET
  • Entidade coletiva
  • 1868-1989

Foi em Outubro de 1868 que Diogo Cassels inaugurou em Vila Nova de Gaia a «capela do Torne», construída maioritariamente a expensas próprias e da família. Nesse mesmo ano tiveram início as aulas da escola diária, poucos anos depois instalada também junto à capela. A iniciativa do jovem Cassels, de apenas 23 anos mas nesse mesmo ano levado à justiça, por defender e propagar doutrinas alegadamente contrárias às da religião oficial do Estado, ação que o código penal da época criminalizava, viria a marcar a face daquele pequeno lugar gaiense e a vida de milhares que na Escola do Torne adquiriram formação para a vida ou na igreja ouviram a Palavra e se entregaram a Cristo.

Nos 55 anos seguintes, Diogo Cassels, foi o rosto e a alma da Escola e da Igreja do Torne, que aderiu à Igreja Lusitana poucos meses após a sua fundação, em 1880. A escola diversificou a sua oferta pedagógica a todos os escalões etários, tornou-se conhecida pela excelência e inovação pedagógica e multiplicou por milhares o número de alunos; a atividade social junto dos mais necessitados, a promoção da educação eivada de princípios cristãos sem proselitismo, e a vivência da fé e do testemunho cristão através de múltiplos dispositivos integradores da comunidade venceram o preconceito social e fizeram frutificar a Obra, levando a que à data da sua partida para Deus, em 1923, Diogo Cassels tivesse já o merecido reconhecimento de diversas entidades oficiais, perpetuado na Comenda da Ordem de Cristo e um arruamento com o seu nome, a que mais tarde se juntaria um monumento num jardim da cidade.

O trabalho evangelístico e pedagógico de Cassels teve continuidade ao longo do século XX, primeiro através do Rev. António Ferreira Fiandor (primeiro bispo da IL, em 1958), que lhe sucedeu na paróquia e na direção da escola até 1970 e, desde essa data, pelo Doutor José Manuel Pina Cabral, como diretor da escola, e diversos ministros que entretanto pastorearam a comunidade. Desde o ano de 1989 cabe à AETP manter vivo e fazer florir o legado de Diogo Cassels e seus sucessores junto das crianças e de outros grupos da população mais fragilizados ou carenciados.

The History of the Primary School of Torne
1868-1989
Diogo Cassels opened the so called “Torne Chapel” in October 1868, at Vila Nova de Gaia. This Chapel was sponsored almost with his family money. In that same year, daily primary school lessons began, and some later this School was installed near the Chapel. This initiative of the young Cassels – he was 23 years old - was absolutely decisive to mark the landscape of that small part of Gaia, and the life of thousands of pupils that attended Torne School, and there they became acquainted with a lifetime human formation, or attending the Church, heard the Word and gave their lives to Christ. In this same year he was taken to Court and judge for defending and spreading doctrines, allegedly against the doctrines of the official state religion, and at that time de criminal code permitted a judgment for that subject.
In the following 55 years, Diogo Cassels, was the face and soul of this School and Church. The Torne Chapel became part of the Lusitanian Church few months after its dedication in 1880. The school became more open to pedagogic diversity and for all ages, and turn very famous because of its quality and innovation, and students raised to thousands, with social activities among the needy, promoting an holistic education, not forgetting the Christian values without any signs of proselytism, insisting on a living faith and its testimony using all the mechanisms that helped everyone to became integrated in the wide human community, all this helped the students to win over the social prejudices and strength the Spiritual Work. This prestige made that at the date of his death, in 1923, Diogo Cassels was already recognized by many official entities of the City, and a prove of this was the fact that he won one of the most important Medal of the Country the so called: “Comenda da Ordem de Cristo”, and a street with his name, and later, a monument at one of the city gardens.
The evangelistic and pedagogic work of Cassels found its continuity in the 20th century through the Reverend António Ferreira Fiandor (first Bishop of the Lusitanian Church in 1958), that took Cassels mission at the parish Church and being headmaster of the School till 1970, and from that date by the Dr. José Manuel Pina Cabral, as school director, and through other local Church Ministers. Since 1989 it´s AETP responsibility to keep alive and to help to flourish this legacy inherited from Diogo Cassels and all of the people that came after him with the mission among children and other groups of the population that found themselves more fragile and in need.

Cassels, Diogo. 1844-1923, presbítero

  • DC
  • Pessoa
  • 1844-11-07-1923-11-07

Nasceu em Massarelos, na cidade de Porto em 1844, filho de John Cassels, Diogo era o primogénito de uma numerosa família, pois contava seis irmãos e seis irmãs; foi criado no porto e em Vila Nova de Gaia, seguindo mais tarde para Inglaterra onde estudou no colégio de Repton. Por falta de saúde, aos 14 anos, teve de abandonar o colégio e regressar a Gaia, continuando depois durante algum tempo o estudo das línguas inglesa, francesa, latina,e grega, com professores particulares.
Obrigado a deixar os estudos ainda muito novo, para começar a trabalhar, a fim de auxiliar a família, tornou-se mais tarde sócio da firma John Cassels. Fundada por seu pai. Em virtude da morte desde foi durante alguns anos gerente de fabrica de estamparia da mesma sociedade, em Mafamude, que também tinha sido montada por seu pai. Este primeiro período da sua vida foi de intensa actividade, pois teve de trabalhar com afinco, visto sua mãe e seus dez irmãos terem ficado a seu cargo. Tempos depois, resolveu passar essa sociedade e dedicar-se ao comércio, fundando a casa comercial James Cassels, no Porto, a qual ainda hoje existe, apesar de ser dirigida por pessoas estranhas a sua família.
Estes acontecimentos da sua vida foram descritos por ele próprio, numa carta aos vilanovenses. Publicada no número 275 do periódico gaiense a Igreja Lusitana.
Quando tinha 24 anos de idade, Diogo Cassels fundou a escola do Torne, para classes pobres.
Em 1885 fez exame do magistério na escola normal, no Porto, e em 1891 obteve o diploma de professor de instrução secundária. Mais tarde ou seja em 1901, com o produto dum seguro de vida, fundou a escola do prado, leccionando e dirigindo ambas as escolas com inexcedível dedicação e competência.
Dedicou incansavelmente a sua actividade à difusão da instrução e da educação das classes humildes, estimulando-as e incutindo-lhes a veneração por todos os sentimentos nobres que dignificam o homem, ensinando e instruindo, sem desfalecimento, gastando, nessa missão, a sua grande fortuna.
Em abril de 1908, a liga nacional de instrução reconhecendo os grandes serviços prestado por diogo cassels no combate ao analfabetismo, concedeu-lhe o diploma de "benemérito da instrução".
Homenagem da câmara municipal de Gaia
A câmara municipal de gaia, na sua sessão realizada no dia 20 de outubro de 1910, resolveu, por unanimidade (o que já tinha sido resolvido pela sessão transacta) dar o nome de Diogo Cassels à antiga rua do torne, artéria central que, como se sabe atravessa a avenida da república, ligando a rua 14 de outubro com a rua general torres.

Falecimento
No dia 7 de novembro de 1923, quando Diogo recebia um donativo para as escolas, no banco inglês, foi acometido, repentinamente, por um ataque que o prostrou para sempre.
No funeral do insigne educador, a câmara municipal reuniu extraordinariamente ao tomar conhecimento da morte do maior homem do concelho, instituindo por unanimidade, dois prêmios de Esc. 100$00 cada, denominador Diogo Cassels e Isabel Cassels", para serem distribuídos anualmente, ao aluno e aluna mais distintos das escolas fundadas pelo grande benemérito. Em 10 de abril de 1938, foi inaugurado solenemente o monumento a Diogo Cassels, no jardim-parque da Avenida da República em Vila Nova de Gaia.

Diogo Cassels was born at Massarelos, Porto in 1844. He was a son of John Cassels and the first of a large family of six brothers and six sisters. He grew up in Porto and Vila Nova de Gaia. Later he went to England to study at the Repton College. Because of health problems, at the age of 14 he saw himself forced to renounce his studies and college, and he came back to V. N. de Gaia, but keeping studies in English, French, Latin and Greek with private teachers.
Even so he was, once again, forced to give up his studies to start working, to help his household. Later he became partner at his father’s company. When his father died he took the responsibility of being, for some years, the manager in a stamped tissues factory, also founded by John Cassels, and part of the same enterprises group at Mafamude. This first period of his life was of much activity and hard work because the responsibility for his mother and 10 brothers and sisters relied in his shoulders.
Sometime later he decided to sell this Corporation he inherited from his father, to dedicate himself to trade. He opened another Firm called “James Cassels” at Porto that still exists but now without any connections with the Cassels family.
All his life’s happenings are largely described by him in a letter he addressed to the People of Vila Nova de Gaia, which was published in the Newspaper of the Lusitanian Church with number 275 of this newspaper Collection.
When he was 24 years old, James Cassels founded the Torne Primary School, for the poor. In 1885 he himself was submitted to an test at the official Public School in Porto, to obtain the Diploma that gave him the possibility to be recognized as a secondary education teacher. Later, in 1901, with the money of his Life Insurance, he decided to open another Primary School, this time at the Prado Church. He was the Headmaster and teacher of both Schools and everyone recognized in him the gifts of complete dedication and competence.
He dedicated his life without resting to activities with the objective of spreading education among the people of poor social standards, stimulating and educating everyone in the noble values that dignifies humankind, teaching, without giving up, and spending all his wealth in this mission.
In April 1908, the Instruction National League for Education, recognizing the great services he accomplished against illiteracy, and attributed him the “National Education Meritorious Award”. This was a Vila Nova de Gaia City Council decision.
This same City Council, at its General Assembly Session in 20th October 1910, with an unanimous vote decided to give his name to a street, becoming the “Rua Diogo Cassels”. Previously this street was called “Rua do Torne”. Still is one of the main roads that crosses with the most important Gaia Avenue, connecting the “Rua 14 de Outubro” with “Rua General Torres”.
Death.
In November, 7th 1923, when Diogo Cassels was accepting a donation for the Schools at the British Bank, he suffered a serious stroke and later on died. Immediately before his funeral the City Council was called officially to mourn Diogo Cassel´s death, and they decided in that same day to create, unanimously approved, two Scholarships Prices of 100.00$ each. The Prices were called “Diogo Cassels” and “Isabel Cassels” Scholarships. They were attributed on a year basis to the best and distinguish student from the Schools he founded – one girl and one boy. On 10th April of 1938, was solemnly dedicated to him a monument, at Avenida da República Garden-park, Vila Nova de Gaia.

Paróquia de S. Paulo. 1876-

  • PT ILCAE PSP
  • Entidade coletiva
  • 1876-

A Paróquia de S. Paulo, uma Igreja Lusitana, membro da Comunhão Anglicana, fica situada na Rua das Janelas Verdes (ex-Convento Marianos), entre o Museu de Arte Antiga e a Embaixada Francesa.
O convento dos Carmelitas Descalços da Ordem reformada por Santa Teresa de Jesus (Santa Teresa de Ávila), sob invocação de Nossa Senhora dos Remédios, foi fundado em 1606, tendo a sua construção terminado em 1611. As terras onde foi implantado, estavam aforadas a Vasco Fernandes César e a Francisco Soares pelas Comendadeiras de Santos. Os frades, após consentimento das mesmas, compraram-nas por 820 mil réis.
A esta já vasta cerca que, além de permitir o abastecimento do convento com os géneros agrícolas produzidos, se constituía como um local de lazer para os monges, iria ainda ser acrescentada uma nova porção, doada por Luís César de Menezes, designada por “cerca nova”.
Após expulsão dos frades, o edifício foi requisitado para Quartel do Batalhão 17º da Guarda Nacional em 1835, tendo igualmente sido requisitado para a Pagadoria Militar e Repartição do Comissariado em 1836. O Ministério dos Negócios do Reino concede-o ao Diretor-Geral do Conservatório das Artes e Ofícios em 1837.
Posta à venda em hasta pública em 1872, o imóvel é comprado pela Igreja Presbiteriana Escocesa, facto que provocou acesa polémica.
Em 1898, o conjunto é comprado pela Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica, onde, atualmente, desenvolve um conjunto de atividades, sendo a mais importante a celebração eucarística dominical.
Segundo Joaquim dos Santos Figueiredo, quando a Igreja Lusitana foi restaurada em 1880, já existia a congregação de S. Paulo, pois havia sido fundada em Janeiro de 1876 e fazia parte da Igreja Episocpal Reformada.
O seu primeiro ministro foi um antigo sacerdote romano, o reverendo António Pereira, que passado pouco tempo se demitiu, indo ocupar o lugar de redator das Atas, na Câmara dos Deputados.
Nesta igreja e no mesmo mês em que os cultos foram inaugurados, professou de um modo solene a sua fé evangélica o Reverendo José Nunes Chaves, que tinha vindo do Algarve para Lisboa e tinha sido membro da Congregação do reverendo Ángel Herreros de Mora, indo depois pastorear a Igreja de Jesus, na Rua de S. Marçal.
As congregações fundadoras desta estrutura nacional, que hoje é a Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica, foram as igrejas de Rio de Mouro, Sintra, de que era ministro o Reverendo Joaquim José Costa Almeida, S. Paulo, em Lisboa, pastoreada pelo leigo Cândido Joaquim de Sousa, e S. Marçal, também na capital, sendo pároco o Reverendo José Nunes Chaves. Todas elas tinham anexas escolas diárias diurnas, para crianças, e por vezes também ensino noturno para adultos. Em 1880 associaram-se ao movimento as Igrejas de S. Pedro, em Lisboa (antiga Igreja Evangélica Espanhola, fundada por Mora), pastoreada pelo Rev. Henrique Ribeiro Ferreira de Albuquerque, e a do Torne, liderada por Diogo Cassels, então ainda sem ordens sacras.
The St. Pauls Parish, a Parish of the Lusitanian Church – Member of the Anglican Communion – its situated in Rua das Janelas Verdes (ex- Convent of the Marians), between the Museu de Arte Antiga and the French Embassy.
In 1606 it was founded The Convent of the Order of the Discalced Carmelites from the reformulated Order of Saint Teresa of Jesus (known as Teresa of Avila), and dedicated to Our Lady of Remedies. The construction of this Complex was finished in 1611. The land where it was built belonged to Vasco Fernandes César and Francisco Soares and was rented by the Comendadeiras de Santos. The Frails, after being allowed by this Comendadeiras bought this piece of land for 820 mil reis. To the Cincture already existent at that time around the Convent that provided agriculture supplies, and was a place for the rest and recreation of the Frails, another portion of land was eke, offered by a man called Luís César de Menezes, and was known as “The New Fence”.
In 1835 after the Frails were expelled the building was used as a Military Headquarters for the National Guard 17th Company, and in 1836 was required to be the “Pagadoria Militar” (a kind of Military pay-office) and later to be the Office of the Commissariat. In 1837 it was give in by the Ministry of the Realm Affairs to the Headmaster of the Conservatorium of Arts and Crafts.
In 1872, was put up for sale at auction, and amidst a burning public controversy it was bought by the Presbyterian Scottish Church.
In 1898, it was bought by the Lusitanian Church and there at the present moment it develops some activities being the most important the Sunday Eucharistic Service.
According to Joaquim dos Santos Figueiredo, in 1880 when the Lusitanian Church was Ecclesiastically Restored it was already possible to find there the St. Paul’s Local Congregation, because it was founded in January 1876, and was a Parish of the Reformed Episcopal Church.
Its first Local Minister was a former Roman Catholic Priest, the Reverend António Pereira, that gave up his Ministry almost immediately, because he was appointed General Secretary of the Deputies National Chamber.
At this Church and in the same month that the Services began, the Reverend José Nunes Chaves, a Minister that came from Algarve to live in Lisbon, and was a former member of the Reverend Angel Herreros de Mora Congregation, made Solemn Vows to his Evangelical Faith, and was installed as Local Minister at the Parish of Jesus, located at Rua de S. Marçal.
The founding Congregations of the national structure of what we can now call the Lusitanian Catholic Apostolic Evangelical Church are these ones: the church at Rio de Mouro – Sintra, whose Minister was the Reverend Joaquim José Costa de Almeida; St. Paul, in Lisbon, presided by the Lay Candido Joaquim de Sousa and the Parish of Jesus at S. Marçal Street – also in Lisbon, and being its Vicar the Reverend José Nunes Chaves, as mentioned above. Connected to all these Local Parishes there was a Primary School for children and sometimes night teaching for adults.
In 1880 joined this movement of Churches the Igreja de S. Pedro (St. Peter Parish) in Lisbon (former Evangelical Spanish Reformed Church, founded by the Reverend A. H. de Mora), whose Vicar was The Reverend Henrique Ribeiro Ferreira de Albuquerque, and the Torne Church – Vila Nova de Gaia, Porto, led by James Cassels (later he adopted the Portuguese name Diogo Cassels) and at that time yet without Sacred Orders, to these existing parishes.

Associação dos Antigos Alunos das Escolas do Torne e do Prado. 1935-1980

  • PT ILCAE AAAETP
  • Entidade coletiva
  • 1935-07-06-1980

A grave situação financeira que as escolas do Torne e do Prado enfrentavam na década de 1930, levaram um grupo de antigos alunos à organização de uma associação destinada a angariar fundos para ajudar a manutenção das escolas e dar auxílio moral aos seus diretores e professores. Os seus fundadores foram: Manuel Teixeira de almeida, Manuel Pereira de Pina Cabral, Joaquim Pereira de Pina Cabral, Vitor Nunes de Almeida Pinheiro, Joaquim Moreira, Henrique da Costa Pereira, Custódio dos Santos, António Rocha e Alexandre Rodrigues Fernandes.
A reunião constituinte da Associação teve lugar em Vila Nova de Gaia a 6 de Julho de 1935, sendo os seus primeiros atos uma romagem ao túmulo de Diogo Cassels e um jantar público para apresentação da associação de antigos alunos, uma das primeiras do género a fundar-se no país.
Associação destinada ao auxílio às escolas fundadas por Diogo Cassels, instrução primária gratuita, auxílio às crianças pobres, cantina beneficente, cursos nocturnos para analfabetos e instrução secundária.
Fins da Associação:
1.º Prestar auxílio às escolas do Torne e do Prado;
2.º socorrer as crianças pobres que frequentem a escola;
3.º empregar os meios necessários para pôr em contacto os antigos alunos, estimulando o auxílio mútuo entre eles;
4.º Promover o desenvolvimento intelectual dos seus sócios;
5.º Estabelecer prémios a distribuir pelos alunos das Escolas do torne e do Prado;
A associação mantém absoluta neutralidade política e religiosa. Em caso algum poderá a Associação prestar auxílio pecuniário a qualquer dos associados ou a estranhos.
Em 1956, a associação contava cerca de dois milhares de inscritos, dos quais 650 pagavam quotização regularmente; a partir dos finais da década de 1970, todavia entrou em declínio, acabando por ficar inativa e extinguir-se anos depois.
The serious financial situation faced by the Primary Schools of Torne and Prado in the 1930 decade, led a group of former students to found an Association with the purpose of raising funds to help supporting the Schools and to give moral assistance to their Directors and Teachers. This is the names list of the Association founders: Manuel Teixeira de Almeida, Manuel Pereira de Pina Cabral, Joaquim Pereira de Pina Cabral, Vitor Nunes de Almeida Pinheiro, Joaquim Moreira, Henrique da Costa Pereira, Custódio dos Santos, António Rocha and Alexandre Rodrigues Fernandes. The Founding Assembly was held at Vila Nova de Gaia on 6th July 1935, and its first decisions were an Homage visit Diogo Cassels grave, and an open public Dinner for the presentation of the Former Students Association, one of the first of its kind to be based in the country.
This Association is to give support to the Schools founded by Diogo Cassels; free primary education; assistance to poor children; charity canteen; night courses for illiterate and secondary education.
Purpose of the Association:
1- Support the Schools of Torne and Prado
2- Help the children in their needs while been pupils of the Schools
3- To employ the necessary means to bring the former pupils into contact, stimulating mutual assistance between them;
4- To promote the intellectual development of its members;
5- To set up prizes to be distributed by the students of Torne and the Prado schools.
The association maintains absolute political and religious neutrality. In no case may the Association provide pecuniary assistance to any of the associates or strangers.

In 1956, the association had about two thousand subscribers, 650 of whom paid the quotas regularly; from the late 1970s on, however, it declined, eventually becoming inactive and extinguishing years later.

Fiandor, António Ferreira. 1884-1970, bispo

  • PT ILCAE AFF
  • Pessoa
  • 1884-1970

D. António Ferreira Fiandor nasceu no Porto, em 1884. Após o ensino elementar, obtém emprego numa oficina de escultura religiosa. Em 1901 assiste a um culto, pela primeira vez, na Igreja Lusitana do Redentor (Porto), integrando-se desde logo nas atividades da comunidade. Entre 1903 e 1907 frequenta o Curso Teológico ministrado por John Harden, no Prado. Entretanto (1905) é licenciado como pregador pelo Sínodo.
A 26 de Abril de 1908 é instituído diácono, em Madrid, pelo Bispo D. Juan Bautista Cabrera. Designado coadjutor do Reverendo Flower, no Redentor. Em 1911, nesta paróquia, é ordenado Presbítero, também pelo Bispo Cabrera, da Igreja Espanhola Reformada Episcopal. De Maio de 1908 a Novembro de 1923 é Ministro-Coadjutor da Igreja do Redentor, no Porto.
Após a morte de Diogo Cassels, em 1923, este deixa a Fiandor a herança: substituição na direcção da Escola do Torne e pastor da Igreja de S. João Evangelista.
Em Novembro de 1957, o Sínodo Diocesano (de que era Presidente desde 1939) elege-o Bispo da Igreja. Foi sagrado em 22 de Junho de 1958, na Catedral de São Paulo, em Lisboa. Foram bispos sagrantes D. Plínio Simões (Igreja Episcopal Brasileira), Normann Nash (Igreja Episcopal dos EUA) e James McCann, da Igreja da Irlanda.
Em 1960 resignou à presidência do Sínodo, por limite de idade. Manteve-se como diocesano até à sagração de D. Luís Pereira, em 1962, continuando ao serviço da Igreja até ao fim dos seus dias.
Ainda em 1968 participou nos eventos comemorativos do centenário da Escola do Torne, que dirigiu durante quase meio século. Faleceu em 23 de Julho de 1970.

The Right Reverend Bishop António Ferreira Fiandor was born in Oporto in 1884. After the primary School, he started to work at a handcraft religious images office. In 1901 he joined for the first time a Service at The Redeemer parish of The Lusitanian Church – Oporto – and immediately he started to join the activities of this local church. Between 1903 and 1907 he attended the Theological Studies being the responsible for this Course Mr. John Harden, at the Prado parish. Meanwhile, in 1905 The Synod gave him authorisation to become a Licensed Preacher. On April 26, 1908 he was appointed Deacon of the Church in Madrid by the Right Reverend Bishop Juan Bautista Cabrera. Then he was appointed Assistant to the Reverend Flower at the Redeemer parish. In 1911 he was Ordained to the Ministry, also by Bishop Cabrera from the Spanish Reformed Episcopal Church. From May 1908 to November 1923 he was Auxiliar- Minister to the Redeemer Parish in Oporto. After the death of Diogo Cassels (named James Cassels before becoming a Portuguese citizen), in 1923, he inherited the responsibility of being Tutor of the Primary School and Minister of St. John the Evangelist parish. In November 1957 the Diocesan Synod (to which he was The President since 1939) elects his name to become the Bishop of the Lusitanian Church. He was consecrated on June 22, 1958 at the Saint Paul Cathedral in Lisbon. The Consecrators Bishops were: the Right Reverend Bishop Plinio Simões from the Brazilian Episcopal Church; The Right Reverend Bishop Norman Nash from the United States Episcopal Church and The Right Reverend Bishop James McCann from the Irish Episcopal Church. In 1960 because of age limit he resigned being The President of the Synod. He remained as Diocesan Bishop till the Consecration of the Right Reverend Bishop Luís Pereira in 1962, but always following the works and Mission of the Church to the end of his life.
Still in 1968 he took part in Centennial Celebration Events of the Primary School of Torne Church, which he served for almost half a century. He passed away peacefully on July 23 1970.

Missão da Santíssima Trindade. 1981-

  • PT ILCAE MST
  • Entidade coletiva
  • 1981-10-25

No dia 25 de Outubro de 1981, sob a Presidência de de D. Fernando da Luz Soares e com a presença de D Luis César Pereira foi dedicado o templo da Missão da Santíssima Trindade.
Esta dedicação veio recuperar a memória da antiga Congregação da Santíssima Trindade, que existiu em Rio de Mouro, tendo sido seu Pároco o reverendo João Joaquim da Costa Almeida.

Paróquia de S. Pedro. 1885-

  • PT ILCAE PSPE
  • Entidade coletiva
  • 1885-01-10

Em 1885 foi o beneméiro João Cleif que fez entrega à congregação de S. Pedro do templo que, a expensas suas, mandou erigir. Em 24 do mesmo mês e ano, foi o templo solenemente inaugurado. O seu primeiro pároco foi o presidente do sínodo Reverendo Cândido Joaquim de Sousa. Após o falecimento deste foi nomeado Josué Ferreira de Sousa.
Interessante é também de referir que, durante o tempo em que a colónia alemã em Portugal esteve privada de ter uma igreja sua e um pastor, era na igreja de S. Pedro que se celebrava o culto divino.

Congregação da Santíssima Trindade. 1876-1920

  • PT ILCAE CST
  • Entidade coletiva
  • 1876

A congregação da Santíssima Trindade integra juntamente com as congregações de S. Paulo e de S. Marçal um dos núcleos fundadores da Igreja Lusitana.
Foi fundada pelo reverendo João Joaquim da Costa Almeida, num terreno da sua quinta em Rio de Mouro - Sintra. Possuía escola diária para ambos os sexos e nocturna para adultos de sexo masculino. O edifício da Igreja-Escola foi inaugurado apenas em 1 de Novembro de 1878, deduzindo-se que até aí a congregação, como a escola, funcionariam na própria residência da família Costa e Almeida.

Paróquia Salvador do Mundo. 1901-

  • PT ILCAE PSM
  • Entidade coletiva
  • 1901-05-01-

No dia 19 de Março de 1900 foi lançada a primeira pedra da construção da Igreja, tendo a sua consagração/dedicação como templo de louvor a Deus ocorrido a 12 de Maio de 1901. Foi pregador o Reverendo André Cassels, irmão do grande impulsionador deste empreendimento o Reverendo Diogo Cassels. Todavia, e conforme foi apanágio deste homem de Deus, sempre que edificava uma Igreja, construía uma Escola adjunta, onde para além do ensino normal, era desenvolvida uma importante obra caritativa sem quaisquer efeitos proselitistas. Desde 1989 que a Escola está encerrada, tendo em conta a cobertura estatal, e, naquele espaço, foi inaugurado em 2003, o Centro Comunitário da Associação das Escolas do Torne e Prado (www.aetp.pt) com o nome "Salvador do Mundo" direccionado a idosos e carenciados.

De realçar o facto, de, dos diversos párocos que pastorearam esta comunidade, dois terem sido sagrados Bispos, são eles; D. Daniel de Pina Cabral, que serviu em Moçambique na diocese dos Libombos e o Bispo Emérito da Igreja Lusitana, D. Fernando da Luz Soares.

União Cristã Evangélica. 1899-1905

  • PT ILCAE UCE
  • Entidade coletiva
  • 1899-07-02-1905-02

A União Cristã Evangélica foi uma organização feminina, anexa à Igreja de S. Paulo em Lisboa, com estatutos e regulamento interno elaborados por Thomas Pope e Joaquim dos Santos Figueiredo. Em 1904 foram elaborados novos estatutos. Era constítuida pela Presidente, secretária, tesoureira, vogal e membros ativos. Existia ainda uma secçã infantil: membros dos 8 aos 15 anos.
Lavínia Figueiredo, Isménia Baptista foram professoras de leitura da 1ª e 2ª classes; Instrução Primária, 3ª e 4ª classes; leitura instrutiva e recreativa, de quinze em quinze dias.

Sociedade do Esforço Cristão da Igreja de Jesus. 1920-1955

  • PT ILCAE SECIJ
  • Entidade coletiva
  • 1920-05-18-1955

Estatutos da Sociedade de Esforço Cristão da Igreja Lusitana, Católica, Apostólica, Evangélica de Jesus composta por: sócios; direção: presidente (ministro da igreja), secretário-geral, secretário local, tesoureiro e dois vogais; Assembleia Geral - todos os sócios ativos de maior idade (presidente da direção, dois secretários); Comissão revisora de contas - constituída por três membros efetivos da Junta Paroquial (sócios ativos da Sociedade).
Estava ainda dividida esta Sociedade em Sociedade Infantil (sócios com menos de 16 anos), Sociedade de Adultos e comportava as seguintes comissões:
religião; dominical; beneficência; estudos; templo; melhoramentos; propaganda; recreios.

Paróquia de S. Pedro. 1877-

  • PT ILCAE IJP
  • Entidade coletiva
  • 1877-

A Igreja de Jesus foi criada, em 1878, pelas congrega ções episcopais de Rio de Mouro, de S. Paulo e a da rua de S. Marçal (futura igreja de Jesus). Constituiu a Igreja Lusitana Evangélica de Jesus uma das congregações fundadoras que viria a dar origem à Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica. Fundada em Janeiro de 1877, situou-se de início na Rua de S. Marçal, 117. Foi seu primeiro ministro, durante muitos anos, o presbítero reverendo José Nunes Chaves. Quando em Março de 1880, por ocasião da visita a Portugal do Bispo Riley, da Igreja Mexicana de Jesus, votaram em Assembleia Representativa a sua constituição. Esta congregação, sendo uma das que tomaram parte ativa na obra da nacionalização e independência da Igreja Lusitana, passou a chamar-se de Igreja de Jesus.
Em 1884 instalou-se na Travessa da Horta, 6-A, em virtude da propriedade da rua de S. Marçal ter de ser demolida. Poucos anos depois inicia-se uma “peregrinação” que fez a congregação passar pela Rua da Academia das Ciências, Trav. da Horta, Rua Sra. da Conceição, Rua do Rato, Rua do Cabo e por fim a Rua do Quatro de Infantaria, a Campo de Ourique, num percurso atribulado em que dificuldades várias, designadamente a falta de pastor, levaram mesmo ao seu encerramento, integrando-se os crentes na Igreja de S. Pedro. Seria depois reconstituída como missão, reorganizando-se de novo como paróquia em 1909, então na Rua do Rato, sob a liderança do Rev. Júlio Bento da Silva, que a dirigiu até à sua morte, em 1937. Entre esta data e 1943 foi pároco o Rev. Belarmino Barata.
Ao longo do século XX a paróquia lusitana de São Pedro prosseguiu a sua missão de evangelização e testemunho cristão, personificado em diversos clérigos e responsáveis leigos que naquela congregação serviram a Deus com dedicação e alegria. Há poucos anos, em resultado do envelhecimento da comunidade e da necessidade de dinamizar uma nova visão pastoral para o templo de São Pedro, as autoridades da Igreja Lusitana suspenderam a atividade da paróquia, situação que ainda se mantém.

União Cristã Central da Mocidade Portuguesa. 1894-

  • PT ILCAE UCCMP
  • Entidade coletiva
  • 1894-[19--]

Em 1894 criou-se a primeira União Cristã Central da Mocidade Portuguesa, podendo-se ler no Artigo 1º dos Estatutos que: “Entre os membros das Igrejas Evangélicas é fundada nesta cidade do Porto uma sociedade de educação física, intelectual, moral e espiritual”. No Artigo 3º especifica-se que a União está aberta a todos os indivíduos estranhos às Igrejas,
na qualidade de membros associados que, no entanto, não podem exercer o direito de voto (Artigos 6º e 7º). O Artigo 4º clarifica, e sistematiza, os objectivos da União, dizendo que tem por fim “proporcionar aos seus membros”:
1º Um ginásio, jogos atléticos, balneário e outros meios de desenvolvimento físico;
2º Excursões de instrução e recreio pelo país e, quando possível fora dele;
3º Um gabinete de leitura provido de livros e jornais nacionais e estrangeiros;
4º Aulas de instrução primária, línguas, comércio, música, etc.;
5º Sessões sociais, literárias e musicais;
6º Conferencias evangélicas, científicas, históricas, geográficas, etc., de reconhecida
utilidade popular;
7º Reuniões regulares de estudos bíblicos; e, finalmente:
8º Todos os meios ao seu alcance para promover a robustez física e a elevação do nível
intelectual e moral dos seus membros, de modo a torná-los úteis a si, à família e à pátria.
Outros Capítulos dos Estatutos, dizem respeito aos Membros auxiliares e protectores; sua
admissão, deveres e direitos (Cap. II); Penalidades dos membros (Cap. III); Direcção, conselho fiscal
e secretário geral (Cap. IV); Conselho consultivo (Cap. V); Assembleia Geral (Cap. VI); Eleições (Cap.
VII); Fundo social e sua aplicação (Cap. VIII); e Disposições transitórias e gerais (Cap. IX).
Num texto de 1905 um dos principais promotores da União, Alfredo Henrique da Silva, evoca as razões da sua criação. Diz ele que o que o inspirou foi o exemplo da Associação Cristã de Moços do Rio de Janeiro, cuja notícia chegou via imprensa, nomeadamente pelo jornal evangélico brasileiro O Cristão. Recorda, ainda, que por essa altura, estava no Porto um unionista suíço, de nome Borel, para aprender o português, já que na sua qualidade de missionário, partiria, depois, para as Missões Suíças na África portuguesa. Dos contactos estabelecidos com o missionário, resultou que ele os entusiasmou na criação da União, contribuindo com “alguns esclarecimentos” para a implementação e organização. No princípio dedicavam-se os unionistas ao estudo da Bíblia e a fomentar a criação de novas Uniões, já que o lugar onde estavam instalados, era “uma pequena sala” na Igreja Metodista do Mirante. Só com a sede própria é que se iniciou a sua “quádrupla missão: física, intelectual, moral e espiritual, com um forte investimento na intelectual – aulas nocturnas para operários”. Diz Alfredo da Silva que desde sempre foram norteados por um princípio: “Montar bem; dirigir bem”.
Iniciou-se, assim, em Portugal um movimento de regeneração social, que, de acordo com o Autor, incidiu na instrução popular, no anti-alcoolismo, na moralidade e na cultura cristã.
Em 1899, Diogo Cassels, reproduz, no periódico, O Evangelista, algumas passagens dos Estatutos da União Cristã da Mocidade de Lisboa, fundada precisamente no ano anterior. São quatro os Artigos destacados por Diogo Cassels:
1º Que vem a ser a União Crista da Mocidade?
É uma associação de jovens ou pessoas novas, membros de todas as Igrejas que têm por única cabeça a Jesus Cristo, nosso Senhor, segundo as Escrituras Sagradas.
2º Qual é o seu trabalho?
Procurar resultados espirituais por meios conformes com as Escrituras Sagradas, empregando esforços para ganhar os incrédulos para o Salvador e agregá-los às Igrejas, como fiéis testemunhas do Evangelho de Jesus no meio deste mundo, mas sem se ocupar da escolha da denominação.
3º É a União uma Igreja?
Não. Ela declara de maneira mais formal que o seu fim é trabalhar com as Igrejas, sem se intrometer nas funções próprias destas, antes procurando e desejando ser reconhecida por elas como um auxiliar no trabalho de evangelização da mocidade.
4º Qual é o seu programa?
Promover o bem espiritual, intelectual, social e físico da mocidade.
Movimento que se iniciou em Londres, em 1844, e que a partir de 1849 começa a alastrar pela Europa, via Alemanha. Entre os anos Cinquenta e Noventa regista-se o máximo crescimento, expresso, em 1901, por mais de 3.500 Uniões, desde a Grã-Bretanha até à Turquia. Em Portugal, na mesma data, estavam recenseadas 7 Uniões com 343 membros.

Colégio Evangélico Lusitano. 1889-1946

  • PT ILCAE CEL
  • Entidade coletiva
  • 1889-06-

O Colégio Evangélico Lusitano foi inaugurado em Junho de 1889: “A Comissão Permanente Diocesana desejando estabelecer em Lisboa uma espécie de Colégio Central que pudesse ser frequentado pelas crianças das três Congregações da Capital, resolveu abrir o que se denomina Colégio Evangélico Lusitano. Este colégio funciona numa parte do edifício, em que está estabelecida a Igreja de S. Paulo (…). Graças à bênção divina o colégio tem prosperado; tem 2 professoras, e 148 matrículas, e o termo médio de assistência diária é de 54 crianças.
Segundo o que se combinou, o salário de uma professora é pago pela Sociedade Auxiliadora e o da outra pelo produto de uma subscrição permanente promovida entre as congregações de Lisboa” (Relatórios…, 1889, p. 3-4; cf. Relatórios…, 1890, p. 3; idem, 1894, p. 10-11).
As escolas protestantes, por vezes designadas por colégios evangélicos, nasceram de vontades determinadas em combater a ignorância e a incredulidade. Os seus inícios dependeram fortemente da coragem e espírito decidido dos seus actores. Nos bairros pobres e operários de Lisboa, Porto e Vila Nova de Gaia; nas zonas deprimidas dos Açores e da Madeira; nos espaços piscatórios de Setúbal e da Figueira da Foz, e em Portalegre ou nas minas do Palhal, um conjunto de evangélicos sonharam e ergueram essas escolas.
Em 1911 era já diferente a concepção da escola evangélica, podendo constatar-se tal factona resposta que Joaquim dos Santos Figueiredo, director do Colégio Evangélico Lusitano, de Lisboa, dá ao director do jornal O Dia510. O motivo da réplica prende-se com uma notícia vinda no periódico em que se acusava o Colégio de ministrar ensino religioso, alegando-se que “estranhamente a autoridade não intervinha”. Peremptório Santos Figueiredo escreve: depois de publicada a Lei da Separação, nunca mais se ensinou às crianças, na escola, durante a semana, o catecismo da religião evangélica, pois temos as aulas dominicais para esse fim. O que se faz antes das lições do dia, que em regra principiam às 9 horas e meia da manhã, é entoar cânticos religiosos e patrióticos, e ler e explicar alguma passagem do Evangelho, para assim proporcionar às crianças altos exemplos de moralidade. Isto poder-se-ia fazer na mais laica escola, e seria bom que tal prática se estendesse a todas, porque os alunos não só aproveitariam a lição moral, que não é para desprezar nestes tempos, de tanta corrupção, mas iriam adquirindo os conhecimentos históricos da vida de Cristo, sem os quais não poderão mais tarde, se prosseguirem nos seus estudos, compreender os Lusíadas e muitas obras-primas de autores estrangeiros, como Milton, Shakespeare, Chateaubriand, Victor Hugo, etc.
Joaquim dos Santos Figueiredo foi, durante 38 anos, diretor do Colégio. Joaquim dos Santos Figueiredo, primeiro bispo-eleito da Igreja Lusitana e durante 38 anos diretor do Colégio Evangélico Lusitano, explica a sua concepção pedagógica: fazer as crianças decorar versículos é, para mim, um mau processo quando a isso se limita, isto é, decorar para ornar a memória. Decorar é mecânico. A memória não é apenas um auxiliar do intelecto, da inteligência. Creio que deve ser também do coração. Os católicos romanos adoptam um catecismo. O trabalho é de responder a determinadas perguntas. Esforço de memória. Mas nós não devemos seguir essa maneira de ensinar.
Na continuidade da obra do Colégio Lusitano, em 9 de outubro de 1941 foi concedido pelo Ministério da Educação Nacional, Inspeção Geral do Ensino Particular um alvará para que funcionasse como insituição de ensino feminino, sendo diretora Lavínia Augusta de Figueiredo.

Coro Evangélico Lusitano. 1930-1955

  • PT ILCAE GCPMS
  • Entidade coletiva
  • 1930

O Grupo Coral Pró-Música Sacra foi fundado por um grupo de jovens da Igreja de S. Paulo. Aquando da sua fundação tomou o nome de Coro Evangélico Lusitano e, cerca de 1942, assumiu o nome de Coral Esforço Cristão. Só em 1948 adotou a desiganção de Grupo Coral Pró-Música Sacra, evidenciando o seu desejo de cultivar a música em unidade com a liturgia da Igreja.

União da Juventude Lusitana. 1936-1970

  • PT ILCAE UJL
  • Entidade coletiva
  • 1936-04-14-1970

A Juventude auxiliar da Igreja Lusitana de S. Paulo foi um organismo criado em Assembleia Geral de 14 de Abril de 1936, com o fim de ajudar as atividades da Igreja: reuniões de estudo bíblico, serões litero-musicais e sociais, publicação de literatura evangélica, reuniões de evangelização, jornadas missionárias, excursões, campismo e educação física.

Spanish ans Portuguese Aid Society. Fl. 1870-1958

  • PT ILCAE SPCAS
  • Entidade coletiva
  • 1870-1958

A sociedade "The Spanish and Portuguese Church Aid Society" foi fundada em 1870, com os seguintes objetivos:
• Pregação e ensino do Evangelho de acordo com os princípios da Igreja de Inglaterra e outras igrejas da comunhão anglicana;
• Promover a construção de edifícios para cultos públicos e outras atividades da Igreja, assim como apoiar o estabelecimento de escolas de ensino teológico;
• Manutenção de orfanatos e outras insituições caritativas de venda de bíblias e de outras literatura religiosa.

Liga do Esforço Cristão do Torne. Fl. 1903-1969

  • PT ILCAE LECT
  • Entidade coletiva
  • 1903-[1969?]

A Liga do Esforço Cristão, com origens na União Cristã da Mocidade, foi fundada pelo reverendo Diogo Cassels, anexa à igreja de S. João Evangelista, no lugar do Torne, em Vila Nova de Gaia.
Importante contributo para o trabalho evangélico foi a criação, no Torne, da Liga do Esforço Cristão, sediado no amplo salão mandado construir por Diogo Cassels na Rua 14 de Outubro. No jornal "A Egreja Lusitana" de 15 de Janeiro de 1903 já Diogo informa que está em organização esta liga, destinada a indivíduos de ambos os sexos, com mais de 12 anos de idade.
A 27 de Fevereiro de 1944 os seus estatutos são reformados, mantendo como principal objetivo a promoção, entre os seus membros, as atividades cristãs, relações de estima, fraternidade e cooperação.
Estes estatutos contém 12 artigos:
1º - Fundação da Liga
2º - Fins
3º - Dos membros
4º - Dos deveres dos membros
5º - Dos membros auxiliares
6º - Reuniões de congregação
7º - Assembleia Geral
8º - Direção
9º - Administração
10º - Das comissões
11º - Ação de jovens
12º - Disposições gerais

Ação de Renovação Cristã. Fl. 1949-1955

  • PT ILCAE ARC
  • Entidade coletiva
  • 1949-03-16-1955-10-26

A Ação de Renovação Cristã foi constituída anexa à Igreja Lusitana Evangélica de S. Paulo e tinha como sua sede a rua das Janelas Verdes (Convento dos Marianos).
Destinava-se a desenvolver a acção cristã entre os jovens cristãos de Portugal e o bem geral dos seus associados, promovendo, simultaneamente, o desenvolvimento físico, social e intelectual.
O seu primeiro presidente foi o Reverendo António Pinto Ribeiro Júnior. Os secretários foram Leopoldo de Figueiredo e Felícia Fiandor dos Santos.

Sociedade de Senhoras da Igreja de Jesus. Fl. 1937-1955

  • PT ILCAE SSIJ
  • Entidade coletiva
  • 1937-08-05-[1955?]

A Sociedade de Senhoras da Igreja Evangélica de Jesus nasceu no ano de 1937, de uma comissão da Junta Paroquial da Igreja de Jesus eleita para a elaboração dos seus estatutos.

Resultados 1 a 30 de 55